O Capingui é a alma do futsal passo-fundense

Postado por: Cristian Queiroz

Compartilhe

O Capingui tem a alma do futsal passo-fundense. O Capingui é a casa do futsal passo-fundense. O último sábado comprovou o que, aqueles que viveram o futsal alguns anos atrás, já sabiam.

Lá em 1997, quando tinha meus oito anos, meu pai me levou pela primeira vez para assistir um jogo no Capingui, na época, UPF Zamil x Ser Itaqui. O resultado eu não lembro muito bem, mas a UPF deve ter vencido. Naquela época era muito difícil perdermos um jogo, principalmente em casa. Depois daquela noite, íamos em praticamente todos os jogos, ficávamos sempre na arquibancada em frente às cabines de imprensa. Algum tempo depois comecei a acompanhar o meu irmão nas organizadas do time, primeiro na Camisa 6, que ficava atrás da goleira dos fundos do Capingui e depois na Força Jovem. Foram noites de quartas e sábados memoráveis. No carro, a caminho do ginásio o rádio sintonizava a Planalto para já entrar no clima da partida. No retorno, o mesmo acontecia. Logo nas primeiras partidas que fui ganhei uma camiseta da equipe, se não me engano era a 11, com listras diagonais em amarelo, branco e azul.

Algumas partidas ficaram na história, como um jogo contra o Inter, que terminou em confusão, os duelos contra a ACBF, a rivalidade com a SER Perdigão de Marau e a equipe de Carazinho. A cada gol o bandeirão da Força Jovem se abria e tomava toda a arquibancada ocupada pela organizada.

O Dr. Mateu era o ídolo. Ele e o Gelson. Mas a equipe toda era querida pela torcida. Lembro do treinador Foca e seus gritos que ecoavam dentro do ginásio, as defesas do Glauco e do Luciano. Outros tantos atletas que fizeram parte dessa história, como Nê, Arno, Messinho, Giba. A lista é longa...

Aquele clima do Capingui, a energia que aquele ginásio tinha, a força que a torcida oferecia para os jogadores dentro da quadra vão ficar para sempre na lembrança de quem, assim como eu, viveu aquelas noites como torcedor.

No último sábado, pude sentir aquela mesma energia, o Capingui lotado, a torcida fazendo barulho, alguns debruçados nas redes que separam a quadra das arquibancadas, para pressionar os jogadores adversários. O barulho que a torcida fez quando o time entrou em campo foi de arrepiar! Tudo que eu vivia lá entre 1997 e 2000, eu vivi novamente no último sábado. E agora podendo fazer parte da equipe de transmissão da Rádio Planalto, aquela mesma que eu ia ouvindo no carro com o meu pai, hoje faço parte.

O resultado da partida não tem tanta importância, o time que lutou para não cair está na semifinal da competição, semana que vem tem a volta, e não tem nada decidido, o Passo Fundo Futsal / Fasurgs / Zamil tem totais condições de reverter o resultado.

O Futsal de Passo Fundo voltou, o Capingui voltou, e eu, agradeço ao meu pai e meu irmão que me levaram para fazer parte da história do passado, e a Rádio Planalto que hoje me proporciona contar o presente.

GRE-NAL

Quando o Willian acertou um cotovelaço no rosto do Bolaños quebrando a sua mandíbula e o afastando dos gramados por alguma tempo, eu usei este espaço para criticar a agressão do jogador colorado. E hoje, faço o mesmo com Edílson. O que ele fez não se faz. Agredir um colega de profissão não é nada razoável. Levou o vermelho corretamente, diferente do Willian, que teve falta marcada a seu favor. Mas também não vou aqui ser hipócrita e dizer que não dá gosto de ver um jogador defender as cores do Grêmio, é claro que foi de forma desproporcional, mas é sempre bom ver um atleta que não aceite calado ver seu companheiro ser atingido pelas costas.

O juiz errou. Não deveria ter expulso o Dourado. Ele já tinha apanhado, poderia ter permanecido em campo. Vitinho deveria ser expulso, pois foi ele quem iniciou toda a confusão quando deu um soco nas costas do Kannemam, caído. Vitinho levou amarelo, ou seja, para o alagoano que apitou a partida, um soco no adversário pode dar, é só amarelo, três é para expulsão. Fora isso o jogo foi horrível, o Inter jogou para empatar, e o Grêmio jogou pensando no Cruzeiro.

Agora tudo é Copa! Brasileirão já era. O Grêmio não chega no G6, para estar na LA 2017 precisa ser campeão da Copa do Brasil. Eu acredito. O Cruzeiro não tem nada de mais e ainda corre risco de cair, por isso o Grêmio tem muitas chances de chegar à final.

Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”