Enlutamento

Postado por: Caroline Garcia Silva

Compartilhe

O luto faz parte do nosso crescimento pela vida e qualquer um de nós passa por esta experiência em determina altura. Como se aproxima a data do dia 02 de novembro, data esta que oficialmente declarada como Dia dos Finados, é importante se pensar em como se encarar o enlutamento ou que sintomas a pessoa enlutada pode manifestar:

ENTORPECIMENTO: o indivíduo recentemente enlutado sente-se descrente, em choque, atordoado, desamparado. Isso acontece devido à dificuldade em aceitar a perda.

NEGAÇÃO: se apresenta como mecanismo de defesa frente a essa situação tão dolorosa.

ANSEIOS: crises intensas de choro e dor profunda. A perda pode gerar um grande anseio por reencontrar a pessoa morta. A impossibilidade desse reencontro pode gerar crises intensas de choro e dor profunda, assim como uma preocupação excessiva com seus pertences e objetos que tornem a sua lembrança viva.

CULPA: em muitos casos, esse sentimento é bastante presente. O enlutado pode, ao relembrar alguns eventos vivenciados com a pessoa morta, achar que deveria ter agido de forma diferente nessas ocasiões, ou, até mesmo, que poderia ter evitado sua morte.

RAIVA – DESESPERO – FALTA DE PRAZER: muitas vezes o enlutado se volta contra os amigos, familiares, médicos, Deus e quando há o sentimento de culpa, contra si mesmo. Ele pode vir a se afastar dos amigos e do convívio social.

É notável que com o passar do tempo, haja uma construção de um novo tipo de vínculo com a pessoa morta, quando o indivíduo falecido passa a ser internalizado e continua assim a viver no mundo interno do enlutado. Recaídas ocorrem principalmente em datas como aniversário de nascimento ou de morte.

Normalmente com o passar do tempo, o enlutado volta a resgatar laços sociais, retomando vínculos antigos, aumentando a sua capacidade de suportar a perda.

 

Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”