Lave essa Bolsa

Postado por: Neuro Zambam

Compartilhe

Os programas sociais no Brasil tiverem uma evolução fantástica nos últimos 30 anos. A promulgação da Constituição de 1998 optou pela responsabilidade do Estado, propositor das políticas públicas em vista da diminuição das desigualdades sociais, assim como a ampliação do significado do cidadão como sujeito de direitos.

A unificação de diversas inciativas interessantes tiveram muitos méritos, especificamente a garantia do acesso à escola nos primeiros anos para a totalidade dos estudantes brasileiros, com as condições de renovar o panorama do ensino e fomentar a participação da população, em um programa mais organizado, dinâmico e de alcance até aos longínquos rincões que poucos reconheciam ou sabiam da sua existência. Foi um feito extraordinário.

O Brasil percebeu como é possível iniciar um caminho de reversão das extravagantes desigualdades sociais que mantém historicamente um contingente expressivo de seus filhos em condições sub-humanas. A escravidão ou as desigualdades econômica que envergonham qualquer sociedade com o mínimo de decência podia perceber sinais de sua despedida, embora suas consequências pudessem ser sentidas durante décadas ainda.

As críticas advindas de setores sérios da sociedade versavam sobre o uso eleitoral do programa e da acomodação dos beneficiados na sua situação de pobreza, contentes com uma ajuda para manterem-se vivos. Ambas, embora com coerência e necessárias, sequer comprometiam uma ação desta fabulosa iniciativa.

Nesta semana foram divulgados dados estonteantes. Foram suspenso mais de 1,1 milhão de benefíciospor corrupção e outras irregularidades.

Um prefeito da região disse que, na sua cidade os beneficiados são em número assustador, isso por que envolve uma trama de relações vereadores-prefeitos-assessores-secretários-personalidades-amigos dos amigos, e a fila poderia ir longe. Uma juíza me contou outra façanha: Grande parte dos solicitantes de assistência judiciária gratuita são pessoas economicamente bem-sucedidas. Pasmem: Um empresário relativamente bem-sucedido solicitou a mesma ajuda sem qualquer constrangimento.

Apenas para ilustrar o quanto barato é investir em programas sociais cujas consequências positivas aparecem de forma imediata e com poder de transformação expressiva para todos. Aliás, com o Bolsa Família todos ganham. O Brasil anunciou que, por meio da lei de repatriação, arrecadou em valores ilegalmente investidos no exterior (não pelos beneficiados do Bolsa Família), mais de R$ 80 bilhões. O Bolsa Família custou no ano passado apenas R$ 27 bilhões e beneficiou milhões de brasileiros.

Estou sentindo falta das panelas nas ruas e das esvoaçantes roupas verde amarelas enfeitando a população. Estão apagadas por que, quanto mais perto mais nos atingem ou quanto mais longe, mais nossa voz se agiganta por eles não percebem nossas pequenas ações?

A Lava Jato caiu na rotina. No entanto, lavar a bolsa será sinal de salvação para muitos. Salvem o Bolsa Família corrigindo e modernizando seu controle.

Leia Também A (falta de) leitura e as redes sociais 25º Domingo do Tempo Comum. Escute o que seu coração deseja Mortes no Trânsito: De quem é a responsabilidade?