Dia da Consciência Negra!

Postado por: Ari Antônio dos Reis

Compartilhe

O mês de novembro é assinalado no calendário nacional como o mês da consciência negra. O dia 20 novembro relembra a memória de Zumbi dos Palmares, líder negro que lutou contra a escravidão.  A celebração do dia da consciência negra faz parte da reação organizada do movimento negro contra o processo de racismo, discriminação e preconceito sofrido pela população afro brasileira, consequência dos séculos de escravidão.

A vinda dos negros para o Brasil, como escravos, foi uma decisão econômica. Respondeu à necessidade de mão de obra barata para as lavouras de cana de açúcar e, posteriormente, para os trabalhos na mineração e outros ofícios.  Justificava-se esta decisão de fundo econômico pelo discurso da inferioridade dos negros em relação aos europeus, fato que ficou no imaginário de muitas pessoas.  

 O Brasil foi das últimas nações a abdicar do trabalho escravo. Aconteceu não por um viés de bondade dos senhores, mas, por pressões políticas e pela viabilidade de uma outra opção econômica: o trabalho dos imigrantes italianos que chegavam para trabalhar nas lavouras do sul e sudeste e na indústria que nascia.

 Lembramos que não foram possibilitadas aos negros, que saíram da escravidão, alternativas de sobrevivência enquanto libertos. Ficou uma herança de não cidadania, de racismo, preconceito e discriminação que precisa ser superada. O racismo, o preconceito e a discriminação não são apenas ofensas a dignidade dos negros, o que já seria gravíssimo. Tais atitudes contribuem para a manutenção da situação de pobreza, marginalidade e outras consequências.   

A celebração da consciência negra se insere nesta caminhada de superação que compreende a valorização da cultura afro brasileira, a construção da cidadania e luta pelos direitos fundamentais.  São os princípios de um outro caminhar, não mais marcado pela negação, mas acentuando a igualdade, equidade e o respeito à diversidade étnico racial, características de uma nação verdadeiramente democrática. 

Leia Também História sem fim Ausentes fisicamente, mas presentes na memória! STJ mantém decisão que afasta IR em uso de software por empresa Esperando demônios