Enlutamento coletivo

Postado por: Caroline Garcia Silva

Compartilhe

O luto é um processo essencial para que as pessoas possam se reconstruir, se organizar, diante do rompimento de um vínculo. É um período de transformação e ressignificação da relação com o que foi perdido.

O luto coletivo nos permite entrar em contato com o luto privado, muitas vezes reprimido por uma espécie de defesa pessoal. As tragédias abrem nas pessoas uma grande vulnerabilidade para que vários transtornos se instalem, como crises de ansiedade e abuso de substâncias químicas.

O psiquiatra Colin Parkes, diz que quando seu “mundo presumido” é severamente abalado, o enlutado precisará reelaborar suas crenças e verdades para que ele possa reaprender a viver, refazendo suas expectativas e propósitos.

As tragédias acabam causando no indivíduo um estresse muito grande e diante do qual não se consegue lidar com o seu equipamento psíquico habitual. Muitos sintomas pós tragédias precisam ser observados nos comportamentos das pessoas como a ansiedade, medo, pânico, distúrbios do sono, mudança de apetite, silêncio excessivo, ...

Quando ocorre a morte de ídolos, de pessoas famosas, os fãs passam pelas as seguintes fases de luto: choque, negação, desespero e recuperação. “Ídolo é alguém que carrega muito da nossa fantasia. É marca de algo. Quando morre, esse valor é abalado e as pessoas podem se sentir órfãos”.

 

Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”