A brevidade da vida

Postado por: Clovis Oliboni Alves

Compartilhe

 O ritmo acelerado e intenso que a sociedade contemporânea nos impõe, faz com que a maioria das pessoas viva em uma rotina tumultuada e atarefada, com pouco ou nenhum tempo para dedicarmos para nós mesmos, para os amigos ou família. Este ritmo, nos leva a agirmos no “automático”, pensando na produção, na eficiência, nas tendências de mercado e na competitividade constante em que vivemos, nos induzindo a não parar para pensar na vida, nos valores e na possibilidade finita de nossa existência.

Ao observarmos o cotidiano da vida moderna, notasse que as tecnologias de hoje, nos proporcionam uma série de benefícios, que até então não eram disponíveis à população de um modo geral, tais como: informatização, agilidade e acessibilidade às informações; publicidade dos atos, sistematização das ações com acesso on line de dados, etc. Concomitantemente aos aspectos positivos, estão os aspectos negativos, as chamadas “doenças modernas”. De acordo com uma pesquisa realizada pela Universidade de São Paulo – USP, no ano de 2.009, na capital São Paulo, 11,9 % da população, afirmou sofrer de algum tipo de doença moderna, tais como: depressão, estresse e síndrome do pânico, as quais atingem principalmente as mulheres, dos 35 aos 49 anos de idade. Em um rankin de 24 países, pesquisados por outras entidades, o Brasil ficou em 1º lugar em doenças modernas, na frente de países como Japão e Estados Unidos. Segundo a Organização Mundial da Saúde – OMS, a depressão será em 10 anos, a segunda maior doença a afetar a população mundial, podendo chegar ao primeiro lugar, no ano de 2.030. Fatores como a desigualdade social, trabalho excessivo, medo da violência, estresse no trânsito e o endividamento, são as principais causas para as doenças modernas. Segundo especialistas, alguns hábitos rotineiros podem colaborar para a prevenção das doenças, tais como: práticas de exercícios físicos, alimentação saudável, alterações da rotina, gozar de férias e relaxar.

O período do ano ao qual estamos nos aproximando (natal e ano novo), nos torna mais susceptíveis emocionalmente, revelando em cada um de nós, o espírito de fraternidade e solidariedade. Além do momento natalino, a grande consternação social, se deu nesta semana pelo trágico acidente aéreo que vitimou 75 pessoas e deixou 6 feridos, a maioria jovens jogadores do time da Chapecoense de Santa Catarina – Chapecó, além de tripulantes e profissionais da imprensa. A aeronave caiu a menos de 30 km de distância do aeroporto de Medellin na Colômbia, por causas ainda não identificadas. O mundo todo ficou transtornado com a triste notícia do maior acidente aéreo da história do esporte brasileiro e internacional. O Brasil está de luto oficial, onde milhares de pessoas choram e lamentam as mortes, deste fatídico acidente, que vitimou sem piedade os nossos jovens desportistas. As pessoas parecem não acreditar no que estão vivendo. O sentimento é de que estamos vivendo um pesadelo e que logo iremos acordar. Momentos como este, onde nos deparamos com a morte, nos fazem refletir e pensarmos na vida, do quanto ela é frágil, vulnerável e passageira, e, de como deveríamos valorizá-la, diante de sua brevidade. Grande parte das pessoas, vive sem se dar conta de “saborear” a vida, tirando dela, tudo de bom e maravilhoso que ela pode nos oferecer.

Depois da tragédia, ficam as  lembranças, marcas na memória de cada um de nós e na história do esporte brasileiro. Um triste episódio que marcará uma geração, pelo número de mortos e pela brutalidade do acidente, que de maneira estúpida, tirou tantas vidas, mas que também registra, a bravura e o êxito de uma equipe brasileira de futebol, que estava prestes a conquistar um importante campeonato internacional. Este lamentável episódio, também revelou o lado fraterno e solidário das equipes de futebol do mundo todo, e, em especial do Brasil, que não estão medindo esforços para confortar os familiares, amigos e torcedores da equipe da Chapecoense. #Forçachape

“A vida merece algo além do aumento da sua velocidade.” Mahatma Gandhi

Leia Também A mudança do comportamento por meio do conhecimento não coercitivo Educação como cultivo das capacidades humanas A experiência que faz a diferença Ouro, ouro e ouro!