O Natal e seus símbolos III

Postado por: Dom Rodolfo Luís Weber

Compartilhe

Os múltiplos símbolos natalinos demonstram a grandeza e a importância do mistério do Natal. É impossível dizer tudo em poucas palavras. O artigo anterior refletia sobre a coroa do advento e a árvore de Natal. O presente artigo reflete sobre a vela, a estrela, o anjo e a troca de presentes.

A vela acesa está muito presente nas celebrações do Natal. Mesmo que existam tantas outras formas de luz nas decorações natalinas, a vela acesa foge um pouco da luz artificial e cria um ambiente de intimidade e de confraternização. Cristo é a luz do mundo. O profeta Isaías anunciava que o Messias seria uma luz para o povo. “O povo que andava na escuridão viu uma grande luz” (Is 9,1). O evangelista São João diz: “Esta era a luz verdadeira, que vindo ao mundo a todos ilumina” (Jo 1,9). Jesus Cristo se apresenta assim: “Eu sou a luz do mundo” (Jo 8,12). Atualmente, o desenvolvimento tecnológico permite fazer belas decorações com a luz. Enfeitam-se cidades no período natalino e as pessoas são convidadas para visitarem estas obras de arte em forma de luz, como por exemplo, o “Natal Luz” de Gramado. A origem e o significado de todas estas decorações luminosas estão em Jesus Cristo luz do mundo.

Muito significativo é o símbolo da estrela. A ligação está com a estrela que guiou os magos. “Vimos a sua estrela no oriente e viemos adorá-lo” (Mt 2, 2) “E a estrela que tinham visto no oriente ia à frente deles, até parar sobre o lugar onde estava o menino” (Mt 2,9). Adoraram o menino Jesus, entregaram seus presentes e retornaram para sua terra, passando por outro caminho. Jesus Cristo é a verdadeira luz, a estrela, o sol, o caminho. Tendo-o encontrado pela fé e iluminados por ela, as pessoas tomam um novo caminho, o caminho de Cristo. A celebração do Natal é estrela que mostra o caminho para se encontrar Jesus Cristo e deixar-se iluminar por Ele.

 O anjo costuma estar presente entre os símbolos do Natal. O evangelista São Lucas falando do nascimento de Jesus, coloca o anjo como o primeiro anunciador. “Eu vos anuncio uma grande alegria, que será também a de todo o povo: hoje, na cidade de Davi, nasceu para vós o Salvador, que é o Cristo Senhor!” Depois junta-se ao anjo, o coro dos anjos que cantam: “Glória a Deus no mais alto dos céus, e na terra, paz aos que são do seu agrado!” (Lc 1,10-11.13). O anjo é mensageiro de Deus, o enviado dos céus e está presente em todos os fatos do nascimento.

Estamos diante do anjo, mensageiro da paz, motivo da verdadeira alegria. A ele se associam os seres celestes para a glorificação de Deus: Glória a Deus no mais alto dos céus. Reconciliação, paz e a alegria inundarão os corações humanos se souberem acolher Jesus Cristo a exemplo dos pastores que foram a Belém. Então, haverá paz na terra aos seres humanos amados por Deus.

Feita a experiência do Natal do Senhor, cada pessoa é chamada a exercer a função de mensageiro da glória de Deus, da reconciliação, da paz e da alegria. Torna-se anjo da boa-nova: “Hoje, nasceu para vós o salvador”.

A troca de presentes faz parte das comemorações natalinas. O presente leva a pessoa a tornar-se simbolicamente presente na vida do outro através de um gesto de bondade, de partilha, dando algo de si mesma. Assim, ela se torna presente na vida da pessoa querida. O presente não vale pelo valor, mas pelo significado.

Por que o presente é um símbolo de Natal? Através de Jesus Cristo, Deus se faz presente na vida da humanidade. Deus manifesta o seu amor, a sua bondade. Na missa da noite de Natal a oração sobre as oferendas diz: “Acolhei, ó Deus, a oferenda da festa de hoje, na qual o céu e a terra trocam os seus dons, e dai-nos participar da divindade daquele que uniu a vós a nossa humanidade”.

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito