A CPI inútil da Codepas

Postado por: João Altair da Silva

Compartilhe

O relatório final da CPI da Codepas de Passo Fundo, de autoria do vereador João Pedro Nunes (PMDB) é cômico. Concluiu que não existe sucateamento nos ônibus da Codepas, empresa pública que opera no transporte coletivo da cidade. A luz do dicionário da língua portuguesa, o relatório até tem alguma verdade. Sucateamento é sucata, ferro velho, não poderia estar rodando nas ruas. Os vereadores não apuraram, no entanto, que um ônibus foi parar no pátio da comercial Zaffari da Avenida Brasil por falta de freios, que um motorista improvisou um cepo para calçar o suporte quebrado do banco, não apuraram os incontáveis casos de ônibus estragados que deixam os passageiros na mão, dos coletivos fumegando pela ruas da cidade, as fotos registradas por passageiros, de assoalhos e carrocerias furados.

A CPI foi uma enrolação o tempo todo. Os vereadores que, verdadeiramente, queriam apurar a situação da empresa, foram marginalizados do processo. Ficaram alguns da base atuando na auto defesa temendo desgastar o governo municipal. Não deveriam. Começaram mal a investigação, teriam que apurar todo o histórico de problemas da companhia e não somente os últimos anos.

O propósito da CPI também foi definido para virar em pizza: “apurar o sucateamento da Codepas”. Sucateamento não requer investigação em comissão parlamentar, é apenas problema mecânico, de falta de manutenção. Uma CPI séria teria que investigar a situação contábil e de gestão da empresa. Porque a Codepas que detém o filé do transporte coletivo, faz linhas da UPF, as mais lucrativas, amarga tamanho prejuízo, enquanto uma empresa como a Transpasso, cujos ônibus não conhecem a Avenida Brasil que irriga o sistema de dinheiro, sobrevive? Porque a Codepas, 10 vezes menor que a Coleurb, têm o dobro de chefes? Porque o número de laudos na empresa transcende a média? Uma investigação que deixou de apurar essas questões é simplesmente inútil. O relatório produzido é uma peça ineficiente. Sempre defendi que o vereador é um servidor público razoavelmente barato para os cofres públicos. Nunca vi um vereador ingressar na justiça em busca de direitos. Agora, para fazer uma CPI como essa, se torna caro. Tivessem feito uma apuração eficiente, estariam contribuindo com a própria gestão da empresa.

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito