O que virá em 2017

Postado por: Cristian Queiroz

Compartilhe

O que nós, gremistas, podemos esperar de 2017? Um ano surpreendente como 2016? Um ano que começa empolgante, como 2013, e depois vem aquele balde d’água fria? Um ano morno como 2014?

Eu quero um ano bom! E acredito que o Grêmio tenha tudo para realizar esse ano bom. Se livrou da “inhaca” dos 15 anos sem títulos, tem um elenco interessante que ainda não perdeu muitas peças e deverá realizar contratações pontuais. Teremos uma Libertadores mais longa, que possibilitará aos times uma reorganização dentro da competição, teremos o Brasileirão, que o Grêmio vem fazendo boas campanhas, beliscando … quem sabe esteja na hora. Mas antes de tudo tem o Gauchão! Que o Grêmio não vence desde 2010, Silas era o técnico. O Inter pode ser hepta, e isso não pode acontecer. Passou da hora do tricolor retomar a liderança em nível estadual, até porque o Grêmio será o único clube de série A no campeonato, então precisa ser o maior.

Eu desejo, e acredito que será um grande ano para o Grêmio. Só não será se o próprio Grêmio não quiser.

EC Passo Fundo

O Passo Fundo segue sua preparação para o Gauchão 2017. Tenho acompanhado alguns treinos e gosto do que vejo. Bem, o trabalho da comissão técnica, com Paulo Porto e Alessandro Telles, nós já conhecíamos e sabíamos da qualidade, mas agora nessa temporada estamos vendo o time ser montado por eles, diferente do ano passado quando Ben Hur Pereira começou o campeonato e o Paulo veio para livrar do rebaixamento.

O que já podemos dizer sobre o time de 2017 é o seguinte, todos os contratados chegaram em condições do jogo, diferente de 2016 quando teve atacante que terminou a Gauchão sem entrar em forma e sem fazer gol. Nenhum jogador veio recuperar lesão no Passo Fundo, está todo mundo apto para entrar em campo no dia 29/01 na estreia. O preparador físico é da comissão do Paulo Porto, ano passado permaneceu o da antiga comissão, e não havia o entrosamento ideal entre os profissionais. Esse ano todos os atletas passaram por avaliações físicas na UPF, serviço que a Chapecoense vinha buscar em Passo Fundo, mas que foi descartada por Ben Hur Pereira na pré-temporada passada.

Futebol a gente sabe, a bola é redonda, equívocos podem acontecer, mas ao que tudo indica, o Passo Fundo está organizado para fazer um Gauchão diferente dos anteriores. E é isso mesmo, o Passo Fundo precisa deixar de ser um coadjuvante no estado e passar a sem um dos protagonistas, tem que estar na série D, trazer um jogo de Copa do Brasil para o Vermelhão, está na hora do salto do tricolor do Planalto Médio, e o Paulo Porto reúne as qualidade para que esse salto aterrise com sucesso em competições nacionais.

Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”