O dia seguinte

Postado por: Neuro Zambam

Compartilhe

Os acontecimentos de grande repercussão deixam marcas diferentes ou inusitadas conforme o impacto que causam sobre a nossa vida individual, na família, entre os amigos e, eventualmente, numa comunidade maior. Os atentados às torres gêmeas terão repercussão ainda por muito tempo; uma eleição repercute diretamente pelo menos quatro anos diretamente sobre um grupo; a tragédia de Chapecó sobre gerações. Outras como o nascimento de um filho, uma perda, a crise financeira, uma conquista sonhada terão menor intensidade sobre um grupo maior.

Os acontecimentos podem ter maiores comentários ou consequências devido ao próprio fato ou quando alimentados por outros meios, os de comunicação por exemplo. Pessoas e instituições são construídas, animadas, modernizadas, confundidas e, por vezes destruídas, conforme a atuação dos meios no dia seguinte.

A Celebração do Natal pode ser avaliada e compreendida nesse contexto. Anteriormente somos animados por diferentes entendimentos e interesses, difusos e confusos. Afinal como viver as lições do Natal?

Esta é uma semana, a seguinte, para romper o conjunto dos natais e escolher aquele capaz de impactar o nosso entorno, o nosso interior e as nossas relações. Os ensinamentos significativos e perenes precisam ser buscados no “presépio” e na família que teve a coragem e a capacidade de gerar o Salvador. Sem isso nossa vida cristã perde o seu indicativo mais importante e sucumbirá aos impactos da efemeridade.

Os fatos ocorridos no passado precisam ser atualizados porque a realidade é diferente, o contexto traz a experiência humana, o resultado das intervenções e as consequências das opções e da história.

Os locais são diferentes, as pessoas têm outras expectativas, os personagens não são necessários e as famílias possuem outros contornos, nova formatação e planejamentos com novos métodos visando resultados com características diferenciadas. Para este contexto, os valores e princípios tomam formas atualizadas porque são permanentes e universais e respondem ao nosso tempo.

A maturidade humana e espiritual supõe a capacidade de reflexão e ação sobre a existência humana, independente da formação individual, profundamente integrada com as convicções de fé e visando o sentido da vida humana.

Esta é uma semana de vislumbrar as lições com mais serenidade.

Feliz Natal e Feliz Ano Novo. Assim podemos dizer com intensidade, também Boas Festas.

Leia Também A (falta de) leitura e as redes sociais 25º Domingo do Tempo Comum. Escute o que seu coração deseja Mortes no Trânsito: De quem é a responsabilidade?