A sustentabilidade como perspectiva para os próximos anos

Postado por: Manoela Cielo

Compartilhe

Atravessamos um período de rápidas transformações socioeconômicas, ambientais, tecnológicas e culturais em meio a uma crise de governança e de valores para alcançar uma visão de futuro, capaz de enfrentar desafios que se colocam em todos os setores.

A ONU através de uma proposta audaciosa criou a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável, um plano de ação para as pessoas, para o planeta e para a prosperidade e com isso busca mobilizar seus quase 200 estados membros a se comprometerem com acordos e metas buscando resolver problemas globais.

Os objetivos do desenvolvimento sustentável foram aprovados na Cúpula das Nações Unidas em setembro de 2015, eles se resumem em 17 objetivos globais e 169 metas com o propósito de acabar com a pobreza, promover universalmente a prosperidade econômica, o desenvolvimento social e a proteção ambiental até 2030. Todas essas metas serão acompanhadas por um conjunto de indicadores para que ajude governos, sociedade civil e empresas em suas tomadas de decisões para um modelo mais sustentável na efetividade de suas ações.

Os 17 objetivos globais propostos para o desenvolvimento sustentável são os seguintes:

1.                  Erradicar a pobreza;

2.                  Fome zero e agricultura sustentável;

3.                  Saúde e bem-estar,

4.                  Educação de qualidade;

5.                  Igualdade de gênero;

6.                  Água potável e saneamento;

7.                  Energia limpa e acessível;

8.                  Trabalho docente e crescimento econômico;

9.                  Indústria, inovação e infraestrutura;

10.               Redução das desigualdades;

11.              Cidades e Comunidades sustentáveis;

12.               Consumo e produção responsáveis;

13.               Ação contra a mudança global do clima;

14.               Vida na água;

15.               Vida terrestre;

16.               Paz, justiça e instituições eficazes;

17.               Parcerias e meios de implementação.

Ainda em 2015, a ONU através da a 21ª Conferência das Partes (COP-21) da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), aprovou em consenso com 195 estados partes, um novo acordo global de combate aos efeitos das mudanças climáticas, que prevê reduzir as emissões de gases de efeito estufa em todo o planeta, com o objetivo de manter o aquecimento global abaixo dos 2ºC, destacando a importância de garantir que o aumento da temperatura na terra não ultrapasse 1,5°C.

Com isso, o Programa Cidades Sustentáveis foi atualizado para incorporar em sua proposta, metas e indicadores dos objetivos de desenvolvimento sustentável e da COP-21 citados anteriormente. O Programa busca orientar gestores públicos a trabalharem com metas alcançáveis de modo a garantir o desenvolvimento sustentável nas cidades, através de uma carta compromisso em que Prefeitos se comprometem a administrar o município considerando as variáveis econômicas, sociais, ambientais e culturais de acordo com a cultura local.

No Brasil, 285 municípios brasileiros aderiram ao programa, contribuindo para o estudo de indicadores em 105 destes municípios, o qual oportunizou um novo planejamento para a implementação de políticas públicas inovadoras, dando início a uma rede de cidades comprometidas com a sustentabilidade na gestão dos seus municípios.

A carta compromisso está atualizada para Prefeitos que tenham interesse em participar desse movimento histórico no Brasil. O Programa Cidade Sustentáveis auxilia as equipes responsáveis nas prefeituras pelo desenvolvimento do seu Plano Diretor com o estabelecimento de metas estratégicas, propondo que o processo seja baseado em diretrizes, indicadores e metas organizadas em 12 eixos temáticos, que são os objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas que correspondem ao âmbito municipal.

Os 12 eixos temáticos do Programa Cidade Sustentáveis são os seguintes:

1.                  Governança;

2.                  Bens naturais comuns;

3.                  Equipe, justiça social e cultura de paz;

4.                  Gestão local para sustentabilidade;

5.                  Planejamento e desenho urbano;

6.                  Cultura para a sustentabilidade;

7.                  Educação para a sustentabilidade e qualidade de vida;

8.                  Economia local, dinâmica, criativa e sustentável;

9.                  Consumo responsável e opções de estilo de vida;

10.               Melhor mobilidade, menos tráfego;

11.               Ação local para a saúde;

12.               Do local para o global;

Cada um desses 12 eixos está alinhado com alguns dos 17 objetivos descritos no Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030, além do uso de indicadores que demonstram políticas públicas municipais que estão dando certo no Brasil e no mundo.

Como podemos observar, a agenda 2030, a COP-21 e o Programa Cidades Sustentáveis, de forma global e local, lançam um grande desafio e comprometimento no âmbito social, ambiental e econômico, que são os três pilares da sustentabilidade. Esses três pilares teoricamente, deveriam ter a mesma importância, não sobressaindo o interesse econômico sobre os demais e vice e versa, portanto esse é o grande desafio. As propostas são interessantes, necessárias e algumas vistas hoje como utópicas, porém o primeiro passo foi dado que é a proposta para a criação de um mundo melhor, socialmente justo, economicamente viável, que preserve o meio ambiente garantindo recursos para as presentes e futuras gerações, sempre respeitando a cultura local.

 A preocupação é global, mas a nossa ação deve ser local, já que as coisas acontecem no município, o que a gente pode buscar é ter atitudes mais sustentáveis e cobrar que o mesmo seja feito pelos nossos gestores, para que trabalhem de forma a cumprir metas, como algumas descritas na agenda 2030 e não só para cada quatro anos de mandato.

O meio ambiente é apenas um dos pilares da sustentabilidade, sendo que para sua preservação e cuidado, não pode ser visto de forma isolada e sim através da conscientização de todos.

 

Leia Também Bolsonaro e a esquerda Ser religiosa (o) Escute o que o outro realmente quer dizer! Policiais estão matando mais, fora de serviço.