Do passado ao presente

Postado por: Ronaldo Rosa

Compartilhe
Para quem não conhece a minha história de vida, sou nascido na fronteira, em Santana do Livramento. Durante a infância morei em várias cidades do Estado, pois na época, Júlio Rosa era um policial e naquele tempo as transferências eram corriqueiras. Paramos de peregrinar quando chegamos a Passo Fundo, há mais de 35 anos. Foi aqui que o rádio passou a fazer parte decisiva na vida da nossa família. Meu pai foi por muitos anos o comunicador mais ouvido do interior do estado e se tornou o Repórter do Povo. Foi tanto sucesso na carreira que ele decidiu abandonar a polícia e se dedicar exclusivamente ao rádio. A minha mãe, também funcionária do Estado, da antiga CRT, trabalhou na companhia até se aposentar, mas infelizmente logo após a sua jornada de trabalho, devido a uma parada cardíaca fulminante, ela veio a falecer, muito nova ainda, com 49 anos.

Apesar do pouco tempo de vida, minha mãe deixou, especialmente para mim e meu irmão mais velho, o Dr. Julinho, que também foi do rádio, mas hoje é procurador concursado da Câmara de Vereadores, grandes exemplos de educação, solidariedade, honestidade, persistência e capacidade de entender e lidar com os variados momentos, felizes e tristes, que passamos ao longo da nossa existência.

Em Passo Fundo moramos na Vila Luíza, na Lucas Araújo, na Morada Além do Horizonte, mas podemos dizer que somos da antiga Cohab 1, hoje bairro Edmundo Trein, onde fomos os primeiros moradores e permanecemos lá por cerca de 15 anos. Tenho 43 anos, sou pai de 3 meninas e um menino. Como fui pai muito cedo, com 18 anos, também já sou avô. Apesar das dificuldades, através dos filhos e netos aprendi muito, amadureci rapidamente e melhorei muito como pessoa, principalmente que através deles descobri que sou apaixonado por crianças.

O Bumerangue da vida

A cada ano que passa vamos acrescentando aprendizados e experiências ao nosso currículo. Com quase 20 anos de profissão no jornalismo, tendo passado por importantes órgãos de imprensa de Passo Fundo, especialmente cobrindo setores como segurança pública e política, hoje, como um bumerangue, que uma vez arremessado passa por vários locais e retorna ao ponto de partida, estou oficialmente de volta a Rádio Planalto. Ainda criança incentivado pela minha mãe, a dona Maria Conceição, que não queria que eu ficasse em casa incomodando, acompanhava, com curiosidade, o trabalho do meu pai, Júlio Rosa. Cresci dentro de redações de rádios e jornais, mas naquela época jamais poderia imaginar que um dia eu estaria seguindo exatamente os mesmo passos do meu pai.

A Rádio Planalto fez parte de toda esta história, pois entre idas e vindas foi a última rádio que o meu pai trabalhou, antes de falecer em 2012 e onde eu tive a primeira oportunidade, ainda cursando faculdade, de começar a exercer a profissão como estagiário.
Tudo isto nos trouxe até aqui, trabalhei quase oito anos na Rádio Planalto, saí e coincidentemente oito anos depois, com muito orgulho e motivação, tenho a oportunidade de estar de volta. O momento é um pouco diferente, jamais pensei que retornaria a Rádio Planalto, ainda mais eleito vereador de Passo Fundo. A responsabilidade é bem maior, mas estou animado para este desafio e feliz com os projetos que estarão sendo colocados em prática pela rádio a partir de 2017, o que posso afirmar que tornará a empresa ainda maior, mais reconhecida e forte na área comunicação, vou dar a minha contribuição para este novo momento, trazendo para os ouvintes e leitores tudo aquilo que aprendi na profissão, sempre com o intuito de formar opinião com respeito e responsabilidade.

A partir de agora estarei trazendo a minha opinião no Portal da Rádio Planalto, bem como trazendo a informação e sugestões do público. Quem conhece o meu estilo sabe que não escrevo para agradar ninguém, não faço média com os meus amigo, tenho opinião e coragem para expressá-la. Não sou dono da verdade e exercito diariamente a humildade de reconhecer quando estou enganado e reparar, sem nenhum problema, algo que tenha colocado de forma equivocada.
Também estarei com um programa na emissora que irá ao ar nos sábados, das 10 as 11 horas. Será um programa de polêmica, com temas atuais e sempre os dois lados da questão, por isso o nome escolhido de “Frente e Verso”.

Estou aberto e totalmente receptivo para sugestões de pautas e assuntos, tanto para o rádio, como para a internet. Sejam todos bem vindos e que Deus nos ilumine, com lucidez e justiça. Nesta primeira participação registro a minha gratidão a empresa que me acolhe com tanto respeito e carinho, assim como os pais recebem de volta um filho que esteve fora. Na pessoa do diretor Pe. Neuro Zambam, meu cordial abraço aos novos e antigos colegas.

Leia Também Marta e Maria Curiosidades sobre o Fusca Como fica o Congresso após a aprovação da Reforma da Previdência? Com sapato ou sem sapato