Acidentes de trânsito - Dirigir em rodovias

Compartilhe

Neste período de férias é importante que os motoristas tenham consciência de que não basta apenas a revisão do veículo. É crucial que o próprio condutor tenha em mente a necessária certeza de que o mesmo se encontra preparado para sair em rodovia com intenso fluxo de veículos.

 Afinal, não basta possuir a CNH (legal), uma vez que é importante um exame de consciência acerca do seu preparo para uma rodovia, pois nem tudo o que é legal possui amparo no justo.

Frisa-se, que nas rodovias de intenso movimento – uma realidade nesta época – as exigências quanto ao preparo técnico e psíquico de dirigir um veículo são bem maiores, principalmente as aptidões para decidir e agir são totalmente diferentes daquelas do perímetro urbano, ainda mais quando em confronto com os motoristas profissionais. Aliás, de regra, os acidentes resultam do conflito entre o experiente e o inexperiente. O primeiro, porque muitas vezes acaba abusando; o segundo, porque não possui discernimento e rapidez na decisão a ser adotada. 

Portanto, muito mais que a imprudência e negligência, a imperícia é uma das causas de maior índice de sinistralidade. Aliás, se é a atitude própria do homem mediano ficar atento às regras de direção defensiva, neste mesmo contexto surge o dever-agir com perícia suficiente para controlar seu veículo a fim de tentar evitar o acidente ou minorar suas consequências. É a regra prevista no art. 28 do CTB que traz a previsão de que “o condutor deverá, a todo o momento, ter domínio de seu veículo, dirigindo-o com atenção e cuidados indispensáveis à segurança do trânsito”.

Destaca-se que o “MANUAL DE SEGURANÇA DE TRÂNSITO”, desenvolvido pelo DENATRAN, afirma categoricamente que é de extrema importância que os motoristas estejam preparados para evitar turbulências, ou seja, agindo corretamente nas vias públicas, bem como tenham a necessária perícia para absorver turbulências geradas por outrem. Esse é o segredo maior na técnica de prevenção de acidentes.

Com isso, tendo em vista que no deslocamento com um veículo é levada em consideração a perícia, por óbvio os condutores devem ter consciência do necessário preparo para trafegar em rodovias nesta época de férias e, assim, decidir, em nome do bem maior (vida) permanecer em casa, evitando colocar em risco suas vidas e de terceiros.

 

 

Leia Também A (falta de) leitura e as redes sociais 25º Domingo do Tempo Comum. Escute o que seu coração deseja Mortes no Trânsito: De quem é a responsabilidade?