Dar área para quem invade, ou para quem espera na fila?

Postado por: Ronaldo Rosa

Compartilhe

 

Um problema social muito sério terá que ser enfrentado pelo município, mais cedo ou mais tarde. Hoje, entre terrenos grandes e pequenos, são mais de cem áreas públicas invadidas em Passo Fundo. Centenas de famílias moram irregularmente nestes lugares e podem ter que sair, tão logo a Justiça determine o cumprimento da reintegração de posse. Em contrapartida, na fila da secretaria de Habitação, cerca de 15 mil pessoas aguardam pacientemente por uma habitação popular. O que fazer, regularizar áreas invadidas ou retirar essas famílias, construir e atender quer procurou os caminhos legais? A verdade é que todos precisam e merecem, pois, moradia é um direito prioritário e dever do estado. O fato é que uma hora terá que ser feita uma opção, pois não existe áreas e nem recursos para todos.

 

Pena dos indiozinhos

Chama atenção a quantidade de crianças indígenas que estão pedindo esmolas pelas ruas de Passo Fundo. Normalmente nas sinaleiras da Avenida Brasil, na praça Tochetto e na Rodoviária. Lindas crianças, mas sujas e aparentemente descuidadas, chegam com a feição triste e pedem uma moedinha, é de dar pena. Enquanto isto, os pais ou sei lá quem, monitoram a distância, ou seja, usam as crianças para sensibilizar as pessoas, verdadeira covardia. O pior é que pouco se pode fazer, pois os indígenas têm uma legislação diferenciada e o próprio Conselho Tutelar tem pouca autonomia sobre o caso. Apesar de dar pena, não podemos ajudar, isto só alimenta esta cadeia e cada dia terá mais crianças pedindo pelas ruas. Quem teria que fazer alguma coisa é a Funai, porém praticamente não existe mais, só no papel.

 

Economizar como?

Os especialistas em economia, professores e doutores da área, deixam a população espantada, quando dizem que o momento é de economizar, para ter dinheiro para viver na velhice, principalmente agora que estão mexendo na aposentadoria. A questão toda é como guardar, se o que a maioria ganha dá para pagar as contas e se sustentar, com baixa qualidade de vida. O endividamento da população cresce todo o mês, os impostos aumentam, o mercado sobre preços quase que diariamente, estamos com a faca no pescoço, não tem como pensar em economizar. Economizar o quê? Desemprego aumentando, salários achatados, país quebrado pela corrupção. Temos que ser otimista, mas realista também, pois a situação é muito difícil e vai continuar por longo prazo. Os servidores públicos querem ganhar mais, só que é bom lembrar que para um servidor público ganhar mais, ter mais vantagens, plano de carreira e outros benefícios, a população como um todo é quem paga esta conta. É meu amigo, vamos em frente e salve-se quem puder.

 

OAB aumenta anuidade

Vejam só o exemplo da OAB que aumentou a anuidade em 25%, passando a cota única de R$782,39 para R$ 1 mil, o que pegou muitos advogados de surpresa, com um aumento bem acima do esperado. A discussão sobre a tarifa de ônibus é de um reajuste em torno de 15% bem menor, não é? Aliás muitas reclamações sobre a OAB nas últimas semanas. O espaço continua aberto para esclarecimentos...

Leia Também Linda ou ridícula? Muito obrigado Dom Urbano! O respeito à propriedade alheia CNBB: qual a nossa missão?