Zavascki, a Lava-Jato e as coincidências (E as sinaleiras)

Postado por: Dilerman Zanchet

Compartilhe

Conspiração, morte anunciada, coincidências, denúncias, suspeitas. Tudo isso pode e deve envolver muita reflexão para o trágico acidente que vitimou Teori Zavascki, na quinta-feira que passou.

Teori era o relator da Lava-Jato. Considerado um esteio da Justiça, embora com alguns percalços (Todos os homens de boa vontade erram), mas com profundo conhecimento jurídico, que lhe levou a ser um dos homens mais visados do país desde que a operação para combater a corrupção começou a ser desenvolvida pelo Juiz Sérgio Moro.

Entendo que são muitas coincidências que rodeiam o acidente aéreo. A explosiva visitação às fotos do avião, notícia que foi amplamente divulgada nesta sexta, além dos fatos envolvendo ameaças, denunciadas pelo filho de Zavascki, além de estar com mais de 75 delações a serem analisadas.

Nesta lista constam nomes que explodiriam qualquer boing. Sim, pois estão envolvidos, somente nesta fase, a maioria da influência negativa política do país. Os podres, a sujeira, o lixo humano em que se transformou Brasília e seus arredores está delatado. E muita coisa ainda viria.

Mas a coincidência não fica por aí somente. Lembram do caso Celso Daniel? E do acidente com Eduardo Campos? Que coisa. E me afirmaram que avião não cai. Avião é derrubado.

Já li, desde as primeiras horas da manhã desta sexta-feira, muitos aproveitadores citarem Temer, Cunha e etc, como os delatados na lista de Zavascki. Ótimo. Se devem, tem que ser presos mesmo.

Porém, estes mesmos que também levantam suspeitas sobre um possível assassinado, ou, acidente provocado, não citam Lula, Dilma, Maia, e tantos outros “cacos” do sistema. É que pimenta no dos outros é colírio.

Se forem falar dos podres, que seja de todos os que cheiram mal, e não somente dos que seus “apurados” olfatos lhe permitem sentir.

Ainda sobre isso, sei que novamente serei tachado de fascista. É o que menos preocupa, pois o termo se refere à militontos de esquerda. Não me atinge, portanto. Há, antes de repetir a palavra, confira o que realmente significa no dicionário.

Não, não tenho político nem ladrão de estimação.

E, para não ser extensivo, já sendo, lembrei de uma piada antiga sobre um determinado prefeito que foi na Capital pedir asfalto. Aí o governador disse-lhe: Vou te enviar, mas não espalha. Meses depois uma generosa carga ainda estava amontoada em frente à prefeitura.

Em Passo Fundo, parece que a moda é pedir semáforos, ou sinaleiras, já que em cada esquina tem uma, e poucas com a real necessidade.

*Em tempo: Se pudesse, colocaria Sérgio Moro no lugar de Teori.

 

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito