Saúde pública caminha para o desmonte

Postado por: Juliano Roso

Compartilhe

Venho acompanhando com tristeza e indignação o caos instalado na saúde pública do Estado. Nos últimos dois anos, o Rio Grande do Sul perdeu 474 leitos hospitalares reservados a pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), média de 20 por mês. Sintoma da falta de repasses de verbas do governo Sartori aos hospitais. Num efeito cascata, a  situação acaba por afetar o elo mais frágil dessa corrente: a população carente que não tem plano de saúde privado e depende unicamente do SUS.

Pesquisa realizada na primeira semana do ano,  pela Federação das Santas Casas do Rio Grande do Sul junto aos hospitais associados, demonstra a brutal realidade: 60% das instituições não tem como pagar a folha de dezembro que venceu no quinto dia útil do mês de janeiro, 39% estão com pagamento de férias atrasadas, 27% ainda não cumpriu com o pagamento do 13º salário e 42% estão com salários de outros meses atrasados.

Exemplo desse atraso nos repasses, é o hospital São Paulo de Lagoa Vermelha.   Os funcionários com os salários atrasados há dois meses, foram auxiliados com cestas básicas por instituição local, num ato de generosidade. São profissionais que estão realizando seu trabalho de maneira séria e competente, não deveriam estar passando por tal situação. Culpa de um governo omisso, que vem desmontando  a saúde dos gaúchos

A irregularidade na transferência de recursos pelo Estado afeta também, grande parte das cidades gaúchas. A pesquisa realizada pela Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) estima que a dívida do Piratini com as prefeituras na área da saúde seja de R$ 330 milhões, valor corresponde a débitos de 2014, 2015 e 2016.

Não merecemos este descaso do governo Sartori com a saúde, descaso com as instituições de saúde, descaso com os profissionais, descaso com a vida no momento de maior fragilidade humana. Não podemos deixar que hospitais fechem por indiferença de um governo incompetente. Precisamos de uma política pública urgente que devolva saúde digna aos gaúchos, não podemos deixar nosso povo à mercê  da própria sorte.

 

Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”