A preocupação com o futuro de nossos filhos

Postado por: Clovis Oliboni Alves

Compartilhe

Uma das preocupações das famílias que possuem filhos, é com o futuro que lhes espera. Qual a melhor herança que podemos deixar a eles? Como devemos agir para prepará-los para o mercado de trabalho, para a vida social, para as dificuldades e desafios que a vida lhes trará? São muitas perguntas e dúvidas, a maioria delas sem uma resposta exata, diante das constantes transformações e mudanças de uma sociedade polivalente, eclética e dinâmica, que movesse com a velocidade das redes sociais e do mundo “online”. A grande carência de na verdade, está na formação do caráter e dos valores pessoais de cada cidadão (ã), estando aí, o grande desafio das famílias hoje, para as transformações das futuras gerações.

A maioria dos pais e mães que conheço, estão extremamente preocupados com o futuro dos filhos. O avanço desenfreado da criminalidade, a falta de segurança pública, a crise econômica e as eminentes mudanças da lei trabalhista, são algumas das preocupações que estão tirando o sono dos tutores. Nos dias de hoje, já não basta deixar um patrimônio, um bom negócio da família a um filho, pois a dinâmica e instabilidade do mercado, já não nos dão segurança e garantia de que este  negócio e/ou patrimônio, terá vida longa. Além da instabilidade do mercado, algo muito comum de se ver nos negócios familiares, é o despreparo dos herdeiros sucessores, que acabam levando inevitavelmente, ao fracasso, falência financeira. Hoje não basta você deixar o suporte, a ferramenta para a transformação do meio, mas sim, prepararmos os agentes (filhos), para transformarem o meio em que eles irão viver. O protecionismo e a permissibilidade em demasia, geram pessoas inseguras e sem limites, portanto, o pai ou a mãe, que se omite em dizer um “não”, ou protegem exageradamente um filho, estão fazendo um desfavor para a sua formação. Os pais precisam ter a consciência de que não serão eternos, e, pela ordem natural da vida, irão morrer antes que os filhos, por isso a necessidade de criá-los para o mundo, com capacidade e autonomia para enfrentarem as dificuldades, que com certeza a vida lhes trará. Aos pais fica uma dica: “Nenhum sucesso pessoal irá compensar o fracasso de uma família”.

  O ser humano nasce de alma e coração puro, sem maldade ou malícia, e infelizmente, precisamos lhes alertar para as coisas “ruins” que existem em nosso cotidiano. Priorizamos o estudo, o que por si só, já não é mais garantia de sucesso e prosperidade. Precisamos ir além, lapidar homens e mulheres com caráter irrefutáveis, com valores morais e éticos, compatíveis com a nossa almejada conduta social. Precisamos resgatar valores que estão se perdendo, onde a aparência e o “status quo”, passaram a ter mais valor do que o ser. Onde homens e mulheres não tenham preço, mas sim, valor. Onde a saúde, o meio ambiente, e a vida como um todo, não sejam preteridas por questões econômicas. Falando assim até parece utopia, mas são coisas que deveriam ser prioridades em nosso meio social, onde a exceção, deveria ser a atitude e casos ilícitos, imorais. O sonho de uma sociedade mais justa e igualitária não pode morrer, deve permanecer vivo e latente em nossos corações, no seio familiar, que é de onde nascem os cidadãos do amanhã. Se queremos transformar o mundo, precisamos começar por nós mesmos, pelos nossos filhos, pelas nossas atitudes... Nossa vida e nosso futuro estão em nossas mãos, temos um livro com páginas em branco para escrevermos a nossa história, que pode ter um final triste, ou feliz. Tirando os percalços e fatalidades da vida, a maior parte das coisas que nos acontecem, são frutos de nossas atitudes, de nossa conduta e maneira de viver, daí a importância de conduzirmos nossas vidas de modo responsável, pragmático e saudável.

Com o devido respeito a todos os cristãos e com a fé, que acredito ser de fundamental importância em nossas vidas, a frase: “o futuro a Deus pertence!”, precisa ser interpretada com cuidado e responsabilidade, sob pena de cairmos no comodismo e na omissão, pois muito do que será o futuro de nossos filhos e de nossa sociedade, depende sim, do que hoje nós estamos reproduzindo em nossas famílias, com a educação e a formação do caráter de uma criança, que será o cidadão do amanhã.

“A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo”. Nelson Mandela       

 


Leia Também A mudança do comportamento por meio do conhecimento não coercitivo Educação como cultivo das capacidades humanas A experiência que faz a diferença Ouro, ouro e ouro!