A importância do bugio para o diagnóstico de casos de Febre Amarela

Postado por: Manoela Cielo

Compartilhe

Estamos vivendo mais um surto de febre amarela no Brasil e infelizmente casos em que bugios são mortos por moradores que temem a doença, são novamente registrados.

Os bugios são os principais hospedeiros e vítimas da febre amarela, funcionando como verdadeiros sentinelas, ou seja, quando alguns começam a aparecer mortos devido a doença, surge um alerta para que campanhas preventivas e de vacinação sejam realizadas naquela região.

O ciclo da febre amarela no passado se restringia às florestas, com a degradação ambiental causada principalmente por ações antrópicas, além de outros fatores, casos como esses se aproximaram dos centros urbanos.

Na mata o vetor transmissor da febre amarela é o Haemagogus. O mosquito ao picar um macaco contaminado, recebe o vírus, passando a transmiti-lo nas próximas picadas. Um homem não vacinado ao entrar nesse ciclo também pode transmitir ou ser infectado pela picada do mosquito.

Em 2008 e 2009 vivemos um surto de febre amarela no Rio Grande do Sul onde muitos animais foram mortos por moradores e também pelo vírus. Na época, campanhas para informar que o bugio não era o transmissor da doença e que se tratava de uma espécie da fauna ameaçada de extinção, foram realizadas por ONGs, Prefeituras e instituições relacionadas.

É importante salientar que de acordo com a Lei Federal de Crimes contra o Meio Ambiente 9.605/98, é crime ambiental maltratar animais da fauna silvestre.              

Leia Também Gaúcho volta com saldo positivo de Soledade Selvageria nas ruas de Passo Fundo Suspensa liminar que desonerava folha de empresas de saúde O que provoca queda cabelo? Quais os alimentos que auxiliam na prevenção?