A dança e o seu efeito psicológico

Postado por: Caroline Garcia Silva

Compartilhe

A dança faz parte da comunicação não-verbal que envolve todas as manifestações de comportamento. Aprender a dançar significa expressividade, ou seja a manifestação do ser. É uma linguagem universal e faz parte da cultura corporal da humanidade.

O corpo comunica o estado emocional da pessoa, retrata as ansiedades, ideias e necessidades. O conjunto corpo e dança permite um exercício de pura emoção, através dos movimentos sob a influência do ritmo. Produzem-se cenas de emoção e de imaginação que permitem a criação de situações de desenvolvimento.

As pessoas acabam se juntando e muitas vezes formando grupos de danças, pois buscam:

a) Afastar o medo do isolamento;

b) Necessidades de auto avaliação e

c) Autoestima.

As motivações para a dança parecem: melhorar as habilidades, passar bem, vencer, vivenciar emoções, desenvolver o físico e o bem estar.

A dança poderá auxiliar no tratamento e prevenção de ansiedade, fibromialgia, depressão, estresse, distúrbios alimentares, mal de Parkinson e até câncer.

Em uma abordagem psicológica, muitas vezes o medo e a ansiedade quando não resolvidos acabam inibindo o aspecto motor. A agressividade pode ser canalizada pelo excesso de energia, vindo a desenvolver iniciativa e auto expressão, produzindo responsabilidade e o trabalho em equipe.

Dançar é liberdade, é expressão do que somos e sentimos. Experimente viver esta sensação.

           

Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”