Bancos tiram proveito no desespero da população

Postado por: Ronaldo Rosa

Compartilhe

Num momento de dificuldades financeiras, como este que todos os brasileiros estão sentindo, os bancos e demais entidades que trabalham com crédito, estão se aproveitando e oferecendo empréstimos com juros exorbitantes. As pessoas, desesperadas, contraem, pegam o dinheiro, que num primeiro momento é bom, mas futuramente, com certeza, será uma grande dor de cabeça, por não conseguir pagar. Na verdade, é uma covardia o que as instituições financeiras estão fazendo, se aproveitando da situação para ferrar ainda mais com a vida financeira de muitos. Por isso, importante estar atento neste momento e inclusive acionar os órgãos de defesa do consumidor e denunciar estas operadoras de crédito.

Peregrinos e aventureiros

Recentemente fui abordado por um jovem, pedindo ajuda para retornar à sua cidade de origem, Itaqui, me pediu se conseguia uma passagem. Perguntei a ele o que fazia em Passo Fundo e ele me respondeu, “eu vim vindo de lá para cá, tentando trabalho e parei aqui, como não consegui nada, agora quero voltar”. No passado este tipo de situação era mais comum, inclusive a Semcas tinha recursos para pagar a passagem e mandar o peregrino de volta para casa. Hoje, não existe mais este auxílio, então, ou o camarada compra a passagem, ou consegue uma carona. O que chama a atenção é o espírito de aventura dessas pessoas, que saem sem rumo, em busca de qualquer coisa. Uma questão social terrível, pois, gera problemas para todos os lados, as vezes a pessoa chega de fora numa cidade, não consegue nada, precisa sobreviver e voltar e, muitas delas, se envolvem em crimes ou em situações ilícitas, mas fazer o que, vivemos num mundo sem fronteiras e o ser humano merece ser tratado com dignidade.

“Briga” para receber precatórios
Seguindo acordo com o Tribunal de Contas do Estado, a Prefeitura de Passo Fundo vem pagando R$ 300 mil, em precatórios, por mês e mais R$ 100 mil, referentes a ações do Hospital Municipal, que é uma autarquia, mas o caixa, de onde sai o dinheiro, é o mesmo. São dois tipos de precatórios, cível e trabalhista e a fila ainda é muito grande e o pior é que não diminui, o município paga e cada vez mais chegam novas decisões judiciais. Difícil prever quando alguém vai receber, todavia, para ganhar a corrida pelo pagamento, muitos entram com uma segunda ação na justiça que é pela fila preferencial, que pode ser por diversos motivos, mas principalmente por questão de saúde. A fila de pagamento tem uma ordem, que regularmente é seguida, salvo as prioridades definidas pela justiça, onde muitos conseguem receber, antes de quem está esperando há muitos anos.

Dizem por aí..
. .... Que o ex-prefeito de Passo Fundo, Airton Dipp, volta ao cenário político em 2018 e já está em campanha para deputado estadual. Será verdade?

Leia Também O bom samaritano Um projeto para o Brasil Reforma da Previdência: cofre aberto Ambição derrotada