Pedágios no horizonte dos motoristas gaúchos

Postado por: Ronaldo Rosa

Compartilhe
Em breve o RS terá novamente praças de pedágios, em importantes rodovias. Sou favorável a iniciativa privada explorar praças e, em contrapartida melhorar as condições de trafegabilidade com investimentos em obras e manutenção. Neste período, onde muitos gaúchos visitam o litoral catarinense, é impressionante a diferença na qualidade das estradas de um Estado para outro. Em SC tem pedágio e funciona muito bem, serve de exemplo, valores baixos, sem explorar os condutores. Aqui no RS, a grande maioria cobrava caro e os serviços deixavam a desejar. Quem sabe acertem a mão desta vez e aí acredito que a população aprova, pois, segurança nas estradas significa salvar vidas e esse é o maior valor.


Beleza das “gordinhas” volta a fazer sucesso

A história conta que Entre os séculos XVI e XVIII, as mulheres mais “gordinhas”, representavam sinônimo de beleza e não só isso, elas representavam uma classe social superior, eram preferidas pelos homens, por serem mais saudáveis e por consequente, melhores para ter filhos. O tempo passou e as “gordinhas” foram perdendo espaço na sociedade, algumas até discriminadas e o sinônimo de beleza passou a ser as “magrinhas”, “esbeltas”. Depois venho o advento das cirurgias, onde as mulheres “magras”, passaram a colocar seios e nádegas, tudo pensando em ficar mais belas e atraentes. Pois bem, agora parece que as “gordinhas” voltam a fazer sucesso, inclusive uma das principais revistas masculinas, expõe na sua capa deste mês, uma delas, como a modelo principal. No mercado da moda elas também se destacam e quem trabalha direcionado a este público afirma que as “gordinhas” são melhores consumidoras. O mundo da beleza é, literalmente, uma gangorra.


Caminhoneiros deitam e rolam na falta de fiscalização 

Tenho presenciado a circulação de caminhões, grandes e pesados, pela Avenida Brasil, em todos os horários do dia, mas principalmente pela parte da manhã. O decreto municipal, que regra a questão, estabelece que somente é permitido, das 19 horas de um dia até as 10 horas do outro. O que está acontecendo é que a fiscalização não funciona, não por culpa da Guarda de Trânsito, mas pela falta de efetivo, hoje precisaríamos, no mínimo, de mais 50 agentes, para fazer todo o trabalho. Por enquanto o que poderia contribuir é o comércio e a indústria, orientar as entregas. Organização é importante para todos e o trânsito, que por vezes está bem complicado, precisa de mais respeito, mesmo sem fiscalização, as pessoas precisam saber o que é o certo e cumprir, não precisa ter alguma autoridade pressionando para cumprir o que é obrigação. 


 Dizem por aí...Que o Exército vai liberar todos os jovens engajados para “servir quartel”, pois nem comida tem para manter gurizada. Será verdade?

Leia Também Linda ou ridícula? Muito obrigado Dom Urbano! O respeito à propriedade alheia CNBB: qual a nossa missão?