Quando o Estado fracassa, a desordem triunfa

Postado por: Clovis Oliboni Alves

Compartilhe

Os brasileiros ficaram atônitos com os últimos acontecimentos no estado do Espírito Santo (ES), onde após uma série de protestos de familiares de policiais militares, reivindicando melhores salários e condições de trabalho, os policiais se aquartelaram, deixando as ruas entregues à desordem e a barbárie dos marginais, que: saquearam lojas, shopings, puseram fogo em viaturas, ônibus e prédios públicos, além de cometerem mais de 90 homicídios até o momento. A população capixaba está amedrontada, insegura. O Exército e a Força Nacional estão nas ruas da capital Vitória, tentando restabelecer a ordem social, diante de um vergonhoso fracasso de gestão pública daquele governo. 

Sem receberem reajustes salariais a mais de três anos e sem o direito de fazerem greve, os policiais militares do Espírito Santo, apelaram para o apoio das famílias, que ocuparam a frente dos quartéis, impedindo a saída dos policiais militares, para as ruas do estado capixaba. O resultado foi um verdadeiro caos social, cenas de violência, desordem, banalidades irracionais, de um grande número de pessoas, que aproveitando-se da situação, cometeram crimes como: saques a lojas e supermercados, assaltos a pedestres, roubos de veículos, homicídios, incêndios em prédios e viaturas públicas, arrastões... Uma verdadeira “terra sem lei”! A população ficou assustada, trancada em suas casas e apartamentos, com medo de saírem às ruas, de irem para o trabalho, para a escola e até mesmo de fazerem compras. O Estado parou literalmente em suas principais cidades. O Governo Federal, foi prestativo ao pedido de “socorro” do Estado, pois a exemplo do que ocorreu com os presídios, uma onde de violência e desordem como esta, se vier a ocorrer em outros estados brasileiros, pode levar o País a um colapso, um estado de calamidade pública e desordem social.

A crise na segurança pública do Espírito Santo, nos faz refletir sobre alguns aspectos: primeiro sobre a negligência com que a categoria dos policiais militares, está sendo tratada pelo governo, assim como os demais agentes de segurança pública; segundo, a exposição do comportamento violento e irracional da sociedade, quando não está sob os olhos coercitivos do estado; e o terceiro aspecto, nos chama a atenção, para a necessidade “vital”, do policiamento militar ostensivo nas ruas, ou seja, o povo não sabe comportar-se, sem a coerção e o controle do estado. O fracasso que nós estamos vendo no Brasil hoje com a segurança pública, é o resultado de políticas públicas equivocadas, de negligências históricas dos governos de um modo geral, da crise econômica, e principalmente, da crise política, que colabora com os maus exemplos dos gestores públicos, aos demais membros da sociedade. Um povo que vê em seus principais líderes políticos, o mau exemplo da falta de honestidade, moral e ética no trato da coisa pública, perde a referência de sua conduta, banalizando suas ações.

Os acontecimentos são sintomáticos, os governos e a sociedade de um modo geral, precisam reagir imediatamente ao caos social que se apresenta. O crime organizado está mais forte do que nunca. Os policiais militares, assim como os demais agentes de segurança, estão esquecidos e excluídos das políticas públicas dos governos. O povo está carente de emprego, de renda, e principalmente, de referência moral, além de clamar por segurança pública.

“A ordem social baseia-se na limitação da liberdade; a desordem, na liberdade ilimitada”. Marquês de Maricá


Leia Também Façam uma estátua para Renato Um menino de vinte anos! Educação como horizonte A Síria é aqui?