Dicas para correr melhor: Parte 1

Postado por: Angela Pellicioli

Compartilhe

Independente do objetivo do corredor ou futuro corredor, sempre procuram dicas a partir da internet, com amigos que correm ou um profissional da área de Educação Física. As dicas são como um manual, interessante todos saber ou relembrá-las para tomar cuidado com exageros, cuidar do nosso corpo e alterar treinos para evitar lesões.

As dicas do dia são:

1-                  Corra regularmente: o corpo não “sofre” toda vez que você correr se o espaçamento dos treinos for muito grande. As articulações se fortalecem com o impacto e o sistema cardiorrespiratório se mantém treinado.

2-                  Diferenciar os treinos: é interessante alterar os estímulos, através de uma planilha de treino planejada pelo professor de Educação Física – que é o único profissional habilitado para trabalhar com corrida – se projeta uma periodicidade de treinos como, por exemplo: tiros, longões, fartlek, educativos, subidas, entre outros.

3-                  O menos sempre é mais: quando no treino você chega ou passa do limite do corpo, com o tempo esse tipo de treinamento, o índice de lesão aumenta e deixa de ser prazerosa a corrida. Com o tempo você desiste de expor o corpo ao limite e psicologicamente você se prejudica a esse extremo. Deixamos para os atletas profissionais essa sobrecarga.

4-                  Fortalecimento muscular: não adianta correr se não cuidar das articulações, tendões, ligamentos, músculos e ossos que sustentam nosso corpo quando aplicamos um impacto nele. Precisamos fortalecer com exercícios que mantenham nosso corpo em perfeitas condições de exposição. Não adianta correr muito bem por pouco tempo e depois ter que parar por causa de lesão. O fortalecimento aumenta a vida útil do corredor.

5-                  Alongamento: similar ao fortalecimento muscular, o alongamento previne lesão quando realizada após o treino. Pois quando o corpo esfria, a musculatura continua inchada e qualquer movimento brusco, pela exposição ao exercício realizado ou quando se está em repouso os músculos mais utilizados incham, deixando exposto o sistema osteomuscular.

Essas foram as dicas de hoje, lembrando que é muito importante o acompanhamento de um profissional de Educação Física e também cada pessoa tem sua especificidade e tem que respeitar seus limites.

Leia Também O poder da Educação Ambiental Hoje é o Dia Mundial do Fusca! Preocupações com a juventude! Não existe tempo ruim, só roupa inadequada