Com câncer e sem INSS

Postado por: João Altair da Silva

Compartilhe

Recebi uma ligação telefônica durante o programa Na Ordem do Dia (das 8h às 10h na Planalto AM 730), de um cidadão que estava decepcionado com o desamparo no INSS. Sua esposa está com câncer nos seios. Não se trata de uma probabilidade. Não! Diagnóstico feito, a mulher já está fazendo sessões de quimioterapia. Como é de praxe, o paciente doente, sempre recorrer à sua seguradora, o INSS, precisa de auxílio. Não teve. A chamada perícia foi negada. Médico não aceitou e o juiz foi na onda. Agora tem de recorrer, mais um grau de recurso, rezar para encontrar pela frente alguém que tenha sensibilidade. Se um paciente com uma enfermidade letal não pode ser amparado pelo Estado, Ele não tem razão de existir.

Mas, vi que as injustiças não cessaram. No decorrer do programa, recebi mais uma informação, ainda pior. Uma senhora morreu no Bairro Petrópolis, de câncer, com pouco mais de 40 anos, sem ter conseguido amparo do INSS.

Deveria ser convenção nesse país, toda o paciente de câncer, ser acolhido pela seguridade social. Todo mundo sabe sobre a debilidade, a fraqueza a perda de condições físicas que um paciente que está se tratando de câncer enfrenta. Falta muita sensibilidade desses profissionais. Falta também competência, gestão, na seguradora do povo brasileiro. Tanta gente que, felizmente, se recuperou, está bem e continua recebendo proventos mensais há décadas, tirando o direito daqueles que verdadeiramente precisam.  INSS, Instituto Nacional de Seguridade Social!   Que seguridade é essa?

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito