Do líder, das contas públicas e das consequências

Postado por: Neuro Zambam

Compartilhe

A vida de uma pessoa no seu aspecto individual diz respeito a si, à sua família e aqueles com os quais convive, confia, depende e sobre quem tem responsabilidade.

Entretanto, a administração pública e as instituições que têm responsabilidade pública e repercussão social precisam de uma estrutura de funcionamento, organização e administração conhecida do público e avaliada por órgãos com autoridade moral e jurídica irretocável.

O Estado brasileiro, embora possamos perceber o seu fracasso em inúmeras áreas, como a organização política, por exemplo, evoluiu muito em relação ao controle, fiscalização, legislação e orientação sobre o cuidado com o funcionamento de muitas instituições, especificamente as Fundações.

A missão de quem administra essas instituições é complexa por causa das exigências legais, da repercussão pública das suas ações, sobre o seu patrimônio individual e outras áreas. A população, às vezes, não entende porque pouquíssimas pessoas aceitam essa tarefa.

Normalmente as consequências pesam sobre toda a sua vida e o reconhecimento público inexiste. Quando há erros, como se diz no jargão popular, os dirigentes, sua família, seu passado e seu futuro são “jogados na lama” e ninguém aparece para ajudar.

A forma de prevenção e cuidado com a administração e o funcionamento de instituições com esse perfil é o seguimento das orientações legais, embora o peso financeiro e burocrático seja demasiado, a rotina constante das auditorias contábeis e a busca de auxílio ou orientação de que pode, deve e tem essa obrigação pública (por exemplo, a curadoria das fundações).

O crescimento do Estado nesse campo e em outros, agora impulsionado pela crise política e moral porque passa o país devido à malversação de parte dos seus líderes mais influentes, precisa evoluir para além da lei de responsabilidade fiscal visando o controle rigoroso e a punição exemplar das contas públicas – prefeituras, estados, municípios, poder legislativo, poder judiciário, universidades públicas e outros órgãos.

Sabendo que uma escada começa ser lavada de cima, é bom que o cuidado e o rigor comece do nível mais alto.

As dificuldades para que pessoas aceitem a responsabilidade em relação às organizações que impactam sobre a vida de uma pessoa com poder de consagração e destruição de forma vorás e aniquiladora precisa ser combatida com a atuação solidária, transparente e orientada pela legislação.

O rigor não pode ofuscar, desanimar ou esconder os talentos que muitas pessoas possuem e poder dispô-los para que essas organizações prestem serviços capazes de transformas positivamente a vida de pessoas mais necessitadas e impactar fortemente sobre a justiça socialismo.

Nosso reconhecimento a todos os homens e mulheres que gastam parte da sua vida pelo bem dos demais.

Leia Também Fusca e outros motores GPS é medida útil é barata para o Interior Consciência negra, consciência política! (1) Quem será o novo Presidente do Brasil em 2018?