A Política do “Pão e Circo”

Postado por: Clovis Oliboni Alves

Compartilhe

O termo tem origem do sistema de governo adotado durante o Império Romano, por volta do ano 100 d.C., quando o humorista e poeta chamado Juvenal, para criticar as práticas de domínio do povo na época, adotadas pelos imperadores, adotou o nome de “ política do pão e circo”. Na prática, o Imperador, para manter o controle e domínio sobre a população, construiu gigantescas arenas, onde eram realizados espetáculos sangrentos, com gladiadores e animais ferozes; apresentações artísticas e distribuição “gratuita” de cereais, mantendo o povo alimentado e entretido. As práticas de dominação da época foram tão exitosas, que se perpetuaram através dos tempos, persistindo até os dias de hoje.

Durante o auge do Império Romano, a capital Roma, atraiu uma enorme quantidade de pessoas, que vieram para a cidade em busca de melhorias em suas condições de vida. A ocupação desordenada das periferias da cidade agravou os problemas com saneamento, acesso a serviços públicos básicos da época, trabalho remunerado e alimentação. O imperador, preocupado em manter o povo submisso e  pacífico, tratou de adotar ações que visavam o entretenimento, com grandiosos espetáculos realizados no Coliseu, envolvendo gladiadores, animais ferozes, corridas de cavalo, shows com artistas de teatro e palhaços. Além dos espetáculos e diversões, o Imperador também distribuía alimento (cereais), de forma “gratuita” ao povo de Roma. Os espetáculos eram realizados nos feriados, sendo que na época, chegava-se ao número de 182 feriados durante o ano. A política do pão e circo, assim chamada, funcionava perfeitamente para efeitos de dominação e controle do povo, que contentava-se com o pouco que lhe era dado, calando-se diante das injustiças e submetendo-se a trabalhos forçados em regime de escravidão.

Qualquer semelhança dos dias de hoje, com as práticas adotadas na época do Império Romano, não é mera coincidência, tendo em vista que, a dominação dos povos, se perpetua através dos tempos, com princípios culturais voltados ao entretenimento e a alimentação. Os governantes aprimoraram técnicas de manipulação e domínio, que fazem com que a população se mantenha pacífica, ordeira e obediente às ordens do Poder Estatal. Nos dias de hoje, a grande maioria da população, só tem acesso aos canais abertos de televisão, onde a programação é voltada a um processo de “imbecilização” do povo, que aniquilam o senso crítico das pessoas. As programações de um modo geral visam apenas a prender a atenção das pessoas, desviar o foco, com programas extremamente pobres culturalmente. Enquanto o povo se diverte com o carnaval, o futebol, os reality shows e as novelas, os governantes aprovam medidas que irão afetar a vida de todos nós, retirando direitos e conquistas históricas dos trabalhadores. Ao menor sinal de insurreição do povo, o governo rapidamente lança um projeto assistencialista “cala boca”, distribuindo migalhas a quem deveria dar respeito e dignidade.

A população brasileira, não pode aceitar passivamente a política do pão e circo, a qual está sendo submetida. Os projetos que estão sendo votados no Congresso Nacional, que dizem respeito à reforma da previdência e trabalhista, irão impactar significativamente a vida de todos nós trabalhadores. Conquistas e direitos adquiridos serão usurpados. O povo precisa e merece muito mais do que estão nos oferecendo.

“A opressão não se dá pelas ações dos governantes, mas sim, pela indiferença e inércia de um povo”.    

Leia Também A Justiça injusta 12º Domingo do Tempo Comum O legal, o justo e o moral Semana do Migrante