Coprocessamento de Resíduos Industriais

Postado por: Manoela Cielo

Compartilhe

 A destinação correta dos resíduos gerados pelas atividades industriais é sem dúvida uma grande preocupação para os empresários e suas equipes de segurança e meio ambiente. Uma das alternativas para a destruição total de resíduos industriais perigosos, evitando futuros passivos ambientais, é o coprocessamento.

A técnica que permite a destruição térmica superior a 99,9% é indicada para os resíduos que não podem ir para um aterro por terem características de inflamabilidade, conforme portaria nº 016/2010 da Fepam. Com essa técnica o responsável pelo resíduo gerado fica isento da obrigação em monitorar o mesmo, minimizando a geração de passivos em aterros.

O sistema que identifica, seleciona e processa, gera através do mix de resíduos um combustível para a indústria do cimento, o blend. No novo processo a queima do blend gera calor e as cinzas residuais são incorporadas no cimento. O processo de blendagem descaracteriza química e fisicamente o resíduo cessando nesse momento responsabilidade da empresa.

Os resíduos caracterizados para o coprocessamento conforme orientação técnica, são as borras oleosas, borras de processos petroquímicos, borras de fundo de tanques de combustíveis e de produtos inflamáveis, elementos filtrantes de filtros de combustíveis e lubrificantes, materiais contaminados com tinta; materiais contaminados com solventes; resíduo têxtil e EPI´s contaminados; serragem e madeira contaminada; adesivos / Resinas; plástico contaminado; papel e papelão contaminados; elementos filtrantes e absorventes contaminados com óleos lubrificantes, solventes ou combustíveis (álcool, gasolina, óleo diesel etc.); lodo de caixa separadora de óleo com mais de 5% de hidrocarbonetos derivados de petróleo ou mais 70% de umidade; solo contaminado com combustíveis ou com qualquer um dos componentes acima identificados.

Empresas geradoras dos resíduos citados acima podem obter mais informações com prestadores de serviços especializados na área.

            

Leia Também O trigo e o joio Momento de tensão na 7ª CRE Segurança pública por Paulo Sant’Ana Que a gente não perca a sensibilidade