Nossa casa, nossa vida

Postado por: Neuro Zambam

Compartilhe

O carnaval encerrou ontem e um novo período se inicia a partir de hoje. O feriado, apesar de sem sentido, estimulou o descanso, a organização, o convívio com a família e outras atividades segundo o gosto de cada um.

Hoje inicia o período de preparação espiritual para a Páscoa. Como tantos outros da nossa vida, se mal celebrado ou jogado na rotina do excesso de ocupações que toma conta do nosso cotidiano, pode ser apenas mais um, ou mesmo passar sem a necessária percepção de fé e sem a repercussão no concreto de nossa existência.

Para que nossa preparação seja mais madura e vibrante, a Campanha da Fraternidade 2017, como as demais, apresenta um tema concreto para a reflexão e vivência intensa dos valores da fé cristã.

O cuidado da água, seus mananciais, ecossistemas, aquíferos e outros que compõem parte da temática deste ano, recorda a responsabilidade humana diante dos “bens da criação” ou aqueles recursos naturais e ambientais, que de forma interligada e interdependente são essenciais para a sobrevivência humana no presente e no futuro.

A falta de cuidado da natureza é visível, não cuidar do futuro é irresponsabilidade.

Faz bem recordar a palavra de Francisco: “A destruição do ambiente humano é um fato muito grave, porque, por um lado, Deus confiou o mundo ao ser humano e, por outro, a própria vida humana é um dom que deve ser protegido de várias formas de degradação. Toda pretensão de cuidar e melhorar o mundo requer mudanças profundas ‘nos estilos de vida, nos modelos de produção e de consumo, nas estruturas consolidadas de poder, que hoje regem as sociedades’”. (Laudato Si, 1015, nº. 5).

        A expressão “casa comum” é uma metáfora de valor extraordinário para impulsionar a reflexão e a ação concreta das pessoas de boa vontade em vista da (re) composição do equilíbrio humano, ambiental e social.

        O que cada um pode fazer contando com sua repercussão poderá ser o início ou a continuidade de inúmeras formas de transformação, especialmente como gesto concreto de renovação, responsabilidade e ressurreição.  

        

Leia Também Solenidade da Assunção de Nossa Senhora. Bolsonaro e a esquerda Ser religiosa (o) Escute o que o outro realmente quer dizer!