João Sem Vidro e seu Fusca

Postado por: Júlio César de Medeiro

Compartilhe

Dando sequência às histórias sobre os Fuscas e seus donos, hoje trazemos o relato de nosso amigo e sócio do Passo Fundo Fusca Clube, João Paulo Costa dos Santos, o famoso João Sem Vidro. Ele mesmo conta de sua paixão pelo Fusca, como comprou seu primeiro Cascudo e o porquê do seu inusitado apelido.

Desde criança eu gostava do amado e querido Fusca. Lá no interior de Viamão, onde morávamos, o primeiro Fusca com que tive contato era do meu padrinho. Um Fusca branco, do final dos anos 70. Em uma pequena garagem onde ficava guardado, eu passava tardes inteiras mexendo no carro e ouvindo um ruidoso rádio AM. Este Fusca ficou com meu padrinho até apodrecer, sendo vendido, mais tarde, para um amigo da família para reaproveitamento de peças.

O tempo passou e com 18 anos tive que providenciar minha habilitação. Naquela época, em 1992, quem emitia a carteira de motorista era a Polícia Civil e as pessoas faziam o teste prático de volante com seus próprios carros ou com carros de amigos. O meu teste foi com um Fusca 1969 do meu amigo Paulinho da farmácia, como era conhecido.

Ao passar dos anos o Fusca sempre esteve em meus objetivos, mas por uma razão ou outra acabava optando em ter uma moto ou um veículo moderno. Me formei Veterinário e mais tarde, em 2012, fui morar em Passo Fundo em função do trabalho.

Em uma bela tarde de sábado resolvi dar uma volta pelo centro da cidade e ao passar pelo antigo posto Caju avistei uma movimentação de Fuscas e pessoas. Era o povo do PFFC. Não tive dúvidas: estacionei meu carro e fui conferir de perto tudo aquilo. A primeira pessoa com quem tive contato foi o Edson Junior, mas conhecido como "Boneca", hoje meu amigo/irmão. A chama adormecida daquele sonho de criança reacendeu e a partir deste dia iniciei minha jornada em busca do meu primeiro Fusca! Depois de dispensar mais de 18 Fuscas, encontrei em São José do Ouro, interior do RS, um Fusca 1980 verde pampa, muito original e com baixa quilometragem, como eu queria. Logo passei a fazer parte do clube e a viajar com o pessoal para todos os encontros de Fuscas e carros antigos que podia. Em 2014, voltando do encontro de Fuscas de Pomerode/SC, ao passar por uma carreta, um artefato qualquer saltou no para-brisas do Fusca e o quebrou. Meus companheiros de estrada, o Edson Boneca e sua esposa Karine, que me ajudaram, acabaram me apelidando de João Sem Vidro, pois viajei mais de 300 km sem o vidro, aproveitando o vento no rosto, os insetos, a sujeira da estrada e algum caminhão com carga animal viva.

Após algumas pequenas modificações estéticas e mecânicas, meu Fusca me dá muitas alegrias. Com ele e por causa dele fiz e faço muitas amizades.

Atualmente moro em Foz do Iguaçu/PR, onde sou gerente geral da AllTech, empresa de biotecnologia para nutrição animal,  para todo o Paraguai, mas mantenho estreito relacionamento com meus colegas do PFFC e continuo participando de todas as atividades possíveis.

Confira as fotos do Fusca 1980 verde pampa do nosso amigo João Sem Vidro. Na próxima semana pode ser a sua história. Escreva para juliodemedeiro@gmail.com e conte suas aventuras com seu Fusca. Grande abraço.

Leia Também A Justiça injusta 12º Domingo do Tempo Comum O legal, o justo e o moral Semana do Migrante