Greve de fome em troca da liberdade

Postado por: Ronaldo Rosa

Compartilhe

Nesta terça-feira apenados do presídio de Passo Fundo fizeram uma greve de fome. As reivindicações são muitas, porém, um tema antigo, que não fala muito, em respeito ao trabalho da justiça veio à tona. Os presos alegam muita demora na análise de processos, que poderiam colocar em liberdade muitos deles, contribuindo para a superlotação da carcerária que se arrasta há muito tempo. Para se ter uma ideia, celas que poderiam comportar no máximo, mas no máximo 10 presos, alojam 25. Muitos são obrigados a dormir de pé, escorados um no outro, que nem cavalo velho. A questão da precariedade que atinge todo o sistema no nosso estado é outra reclamação. Muita sujeira e a presença de ratazanas e baratas, um grave problema de saúde público, que pode e acredito que já ultrapassando os muros do presídio. A sociedade em sua maioria tem verdadeiro ódio dos presos e isso é compreensível, porém não é assim que iremos resolver o problema da criminalidade. Nestas condições sub-humanas, o preso quando sair para a rua virá com raiva da sociedade, pois para eles todos somos culpados pela deficiência do Estado, por isso se explica os altos índices de reincidência. É preciso ter outro olhar para a questão, aqui não se está defendendo quem está preso, mas sim toda a população, que uma hora ou outra pode sofrer as consequências deste caos.

 

Passo Fundo tem um novo território sem lei

Sou a favor dos jovens ocuparem os espaços públicos para se divertir, principalmente aqueles onde a prefeitura fez bons investimentos, como a Gare, a Rua Independência e os canteiros da Avenida Brasil. Entretanto é preciso botar limites, uma vez que o comportamento de alguns, prejudica a maioria. Temos que definitivamente oferecer um, ou mais lugares em condições de segurança e com regramento. O espaço escolhido agora é na Gare, de frente para a Caixa Federal, onde também existem muitos prédios residenciais. Os moradores da região perderam a paz, devido aos excessos, que só ocorrem pelo fato das leis existentes não serem suficientes, tão pouco observadas e fiscalizadas. Não adianta só proibir, todos têm o direito de usufruir da cidade, cabe ao Poder Público oferecer condições para que as pessoas de bem possam se divertir, inclusive com limite de horário.

 

A falta que uma mulher faz na vida de um homem

Hoje no Dia Internacional da Mulher, faço aqui a minha homenagem a todas as mães, principalmente aquelas que já partiram e deixaram um exemplo de amor, caráter e educação aos filhos. Eu perdi a minha a mãe há quase 20 anos, mas lembro dela como se ainda estivesse presente fisicamente na minha vida. Assim como eu, milhares de filhos sentem saudade e sabem dimensionar a falta que uma mulher faz na vida de um homem. A mulher enxerga diferente, aconselha com sabedoria, é um porto seguro para os momentos de turbulência. Por isso todo o meu reconhecimento às mulheres, as que são mães, as que serão mães ou mesmo que não venham a ser, representem esta condição no convívio com os demais.

 

Dizem por aí... Que Justiça irá se sensibilizar com a greve de fome dos presos e irá realizar um mutirão para agilizar a análise dos processos criminais. Será verdade? 

Leia Também Linda ou ridícula? Muito obrigado Dom Urbano! O respeito à propriedade alheia CNBB: qual a nossa missão?