“Wu ji bi Fan”

Postado por: Kelvyn Krug

Compartilhe

"A bondade que nunca repreende não é bondade: é passividade. A paciência que nunca se esgota não é paciência: é subserviência. A serenidade que nunca se desmancha não é serenidade: é indiferença. A tolerância que nunca replica não é tolerância: é imbecilidade".

Há um provérbio chinês que diz "Wu ji bi fan" - "quando algo chega ao extremo, torna-se seu oposto. Ao praticarmos qualquer atitude, devemos sempre buscar um equilíbrio, isso em todos os momentos da vida. Na prática do "Caminho do meio", devemos sempre buscar a conduta correta, e ensinar essa conduta àqueles que estão ao nosso redor, devemos sempre, também, respeitar a nós mesmos para depois respeitar aos outros.

No tradicionalismo, não é diferente, a prática nos leva a perfeição, seja nas modalidades individuais, na dança, nos esportes campeiros ou em qualquer outra atividade de competição que temos dentro do movimento organizado. E assim, chegamos ao ponto “x” da questão, a competitividade.

O modo que a competição tomou conta da grande maioria de tradicionalistas está levado já passou do extremo e não reverteu, não se tornou o oposto e está em constante decadência, pois o verdadeiro sentido da dança, da arte, se transformou somente em competição, esmaecendo a forma de ver e de cultuar a tradição, sem saber o real sentido de estarmos difundindo a nossa cultura.

Para analisar e refletir essa “bifurcação” em que estamos, devemos olhar para um passado não tão distante e buscar a essência do voluntariado e fazer valer a busca pelo equilíbrio, cuidando sempre de nosso lazer e nossa família ao tempo que pelas expressões culturais, rememorarmos nossos antepassados e mantermos acesa, dentro de cada um, a chama da tradição.

Leia Também As armadilhas da Reforma Trabalhista O direito de não aceitar! Identidade Prefeito Luciano, concorra a deputado federal !