A carne é fraca, porém, a justiça é forte!

Postado por: Clovis Oliboni Alves

Compartilhe

A deflagração da Operação Carne Fraca, desencadeada pela Polícia Federal (PF) nesta semana, abalou o mercado nacional e internacional de carnes e derivados. Depois de mais de dois anos de investigações no setor industrial de carnes e embutidos, a PF desvendou um grandioso esquema de corrupção entre empresários do setor frigorífico, políticos e fiscais do Ministério da Agricultura. Esta operação, revelou a fragilidade do setor produtivo de carnes, em termos de eficiência na qualidade dos produtos; Também revela a vulnerabilidade do setor de fiscalização, além da inércia do governo para com as irregularidades. Depois do estrago provocado pela publicidade dada a operação, o governo federal tratou de correr para tentar por “panos quentes” no processo, minimizando os fatos ocorridos e tentando desqualificar os agentes envolvidos na operação.

Depois do advento da Operação Lava a Jato, a justiça brasileira, encorajada pelo exemplo do juiz Sérgio Moro e o apoio da sociedade brasileira nas ruas, começou a agir com mais rigor e “mão de ferro”, principalmente nos crimes organizados, que envolvam agentes públicos, que lesem o erário público, que venham a ameaçar a saúde pública e a segurança nacional. Já foram dezenas de operações desencadeadas no Brasil, envolvendo o setor de laticínios, medicamentos, licitações, combustíveis e agora o setor frigorífico. Depois de mais de dois anos de monitoramento e investigações ao setor frigorífico do Brasil, a Polícia Federal lançou na última sexta-feira (17), a Operação Carne Fraca. Esta operação, investigou 40 indústrias frigoríficas, sendo que destas, 21 estão sob suspeitas de fraude e adulteração de carnes e derivados, realizou 309 mandados jurídicos, sendo que destes, foram 27 de prisão preventiva, 11 de prisões temporárias, 77 conduções coercitivas e 194 mandados de busca e apreensão. A investigação também apontou o repasse de vultosos valores a partidos políticos como: PMDB, PP e PT, que a princípio, seriam propinas. Os empresários investigados, subornavam agentes fiscais do Ministério da Agricultura e autoridades políticas com influência neste setor, afim de acobertarem as fraudes realizadas, tais como: adulteração de carnes vencidas, adição de produtos nocivos a saúde e substituição de etiquetas com prazos de validade vencidos.

O governo brasileiro está em alerta para solucionar o problema, que no princípio, não parecia que teria a dimensão que teve. O mercado nacional está com os consumidores indignados, inseguros e com medo de consumirem produtos sem qualidade, nocivos a saúde humana. O presidente da república e seus ministros, tentam desesperadamente, acalmar o mercado internacional, conversando com líderes de vários países, que de imediato, lançaram sanções à entrada de carne brasileira em seus territórios, aumentando a fiscalização e controle destas carnes. O impacto econômico desta crise do setor pecuário é avassalador para a economia brasileira, pois estamos falando do maior exportador de carne bovina no mundo e o segundo maior produtor mundial.  A tentativa do governo é mostrar que os problemas foram pontuais, e, que a maioria das indústrias deste setor, trabalham nas mais perfeitas condições de higiene e controle sanitário. Vários funcionários responsáveis pelo setor de fiscalização foram afastados, cinco indústrias foram fechadas e a fiscalização foi intensificada nos três estados onde foram detectadas as fraudes (Paraná, Minas Gerais e Goiás). O setor produtivo do sistema frigorífico sentiu o golpe, a sua produção será amplamente afetada, porém, as práticas criminosas que eram desenvolvidas em algumas unidades frigoríficas, precisam ser banidas da indústria brasileira, servindo de exemplo para toda a Nação e para o mundo.

Vivemos um novo momento no Brasil, marcado por uma justiça implacável, enérgica e competente, representada principalmente pela Polícia Federal, onde a cada operação desencadeada, orgulham os brasileiros por suas posturas e autonomias. A classe política e empresarial, que detinham regalias e práticas nada convencionais (ilícitas), estão acuadas, sendo escorraçadas da vida pública e do convívio social. Dias melhores virão, o Brasil já não é mais o mesmo País do “jeitinho”, da propina e dos favores políticos. A indústria frigorífica brasileira, também não será mais a mesma, a partir da Operação Carne Fraca.

 

 

Clovis Almir Oliboni Alves

Servidor Público – Fase/RS

Bacharel em Direito

Leia Também Sustentabilidade Empresarial Semana da Família! O Fusca na guerra A visita do compadre