O poder mortal da informação

Compartilhe

 Por João Pedro Corazza, sócio proprietário e corretor da New Agro Commodities


                Nos últimos tempos, estamos sendo bombardeados por turbilhões de informações que afetam, diretamente, na tomada das mais importantes decisões que nos mantem aptos a enfrentar a carnificina em que se transformou nosso país. O poder da informação é tão cruel que pode destruir um caminho que demorou décadas para ser trilhado.

                A midiática operação “carne fraca” que arrefeçou um trabalho de anos da agroindústria brasileira soma-se aos incríveis videntes de mercado que tentam iludir o produtor com teorias absurdas prevendo situações inimagináveis que, deduz-se, apenas ser ao seu benefício próprio. E quem paga esse incalculável prejuízo?  

                Com a fama e o poder, diga-se de passagem, realmente merecido, do ilustríssimo juiz Sérgio Moro, doutores parecem se sentir incomodados querendo também, buscar as atenções da plateia (que somos nós, simples mortais) com divulgações inescrupulosas, irreais e inverídicas, como a observada atualmente e que dilacerou um trabalho de anos, feito por pessoas que ainda acreditam no país, “a maior operação da história” já montada por um órgão extremamente competente como a Polícia Federal, manchou e fez realmente apodrecer nossa carne. Problemas e corrupções pontuais, que são dignas de punições extremas, afetaram e estremeceram o Brasil devido à maneira de como foram expostas ao público. & nbsp;

                É óbvio que as consequências estão sendo catastróficas, não só para o segmento, mas para a economia do Brasil (que já está no fundo do poço). Para se ter uma ideia, as exportações de carnes renderam, só no ano passado, 13,8 bilhões de dólares. É um bom dinheiro para balança comercial, não acham? E quem pagará a conta com a suspenção, tomara que momentânea, da importação de carne brasileira? Não são apenas as cifras das vendas que deixarão de cair em nossos cofres. Com o desencadeamento dessa mirabolante operação, já observa-se: 1) o número de desempregados no Brasil começa a aumentar com a demissão de funcionários de frigor&i acute;ficos citados na operação; 2) diminuição de abates de frangos, gado, perus, suínos; 3) estagnação e, provavelmente, menor consumo de farelo de soja, óleo e milho (responsáveis direto na fabricação da ração); 4) congelamento do único setor que caminhava, ainda que a passos lentos.

                E o que falar dos profetas de plantão? Aqueles que falavam que a soja estaria 90 reais em janeiro de 2017 ou aquela senhora, que para se promover e ou vender, exclamou com todas as letras em áudio que vazou via Whats App para todo Brasil: - “Produtor, não venda soja, o preço vai subir!”. Ilusão? Cartomantes? Previsão do futuro? Ou será... interesse próprio? Perguntas essas que ninguém, nunca saberá responder. Porém, é outro caso que podemos fazer a mesma indagação da magnífica operação “carne fraca”: Quem pagará a conta? Tivemos a oportunidade de vender a 90, a 80, a 70 reais a saca de 60 kg de soja. Hoje o preço no interior do estado, dificilmente, alcança os 65 reais . Balcão já cai a níveis próximos a 60 reais. A liquidez diminuiu e, por incrível que pareça, ficou difícil vender soja. O dinheiro sumiu do mercado e as contas estão chegando. A diferença, que supera os 20 reais por saca, além de maximizar os lucros da cadeia produtiva, paralisa o giro monetário no comércio.

O poder da informação é valioso. A formação de opinião é mais ainda. O que é indigno de qualquer ser humano é a semeadura de notícias sensacionalistas, falsas, apenas visando sua promoção pessoal. A ética é o segredo das pessoas de bem. Teremos que melhorar nosso filtro. Precisamos buscar o máximo de notícias, no maior número de fontes possíveis para tomarmos a decisão no momento exato. Vamos catapultar pessoas que querem quebrar o país de vez. O problema foi criado, o momento passou e a maior consequência é que, infelizmente, custou alguns bilhões.  

Leia Também Prefeitura de Água Santa auxilia na tosquia de ovelhas RS entre os estados com maior uso de sementes piratas RS formaliza pedido de auditoria para certificado de zona livre de aftosa sem vacinação Apassul contesta o comércio de sementes piratas