O esquema suicida

Postado por: Cristian Queiroz

Compartilhe

Ontem, 26, o Passo Fundo fez mais uma jornada infeliz nesse Gauchão. Cá entre nós, jornada infeliz já é rotina para esse time. É triste, mas é a realidade. No Centenário o Passo Fundo precisava vencer o Caxias para ficar muito próximo da permanência na série A e para isso o técnico Leocir organizou o time num esquema tático que eu posso chamar de SUICIDA.

É claro que o Leocir está cheio de boas intenções, mas colocar o time em campo sem nenhum lateral de ofício e jogar dois atacantes para os lados do campo foi um sistema kamikaze, não tinha como dar certo. O Anderson Paraíba, que correu pela esquerda, não deu conta de conter os avanços do time adversário e por ali saiu o primeiro gol do time da casa. A ideia era atacar, empurrar o time adversário para o seu campo e pressionar, mas não funcionou, nada deu certo. O Paraíba lesionou e precisou sair ainda no primeiro tempo. Aí o Leocir começou a corrigir e colocou o Ruan pela esquerda. Assim o time começou a ficar mais equilibrado.

No segundo tempo, com as entradas de Elyeu e Gênesis, o Passo Fundo conseguiu se organizar em campo e até assustar o Caxias, mas sem resultado. Sem resultado pela má fase dos atacantes. O Gênesis teve três oportunidades claras de gol, uma ele marcou, mas o bandeira assinalou impedimento. Outra a bola picou na frente dele dentro da pequena área, sem goleiro, mas ele não conseguiu finalizar e o zagueiro afastou. Depois um cruzamento da esquerda o Elyeu raspou de cabeça a bola sobrou para o Gênesis que mais uma vez dentro da pequena área errou o alvo.

Por incrível que pareça, o Passo Fundo com seis pontos, na lanterna da competição, com apenas uma vitória e saldo menos dez, ainda não está rebaixado. O Passo Fundo pode permanecer na primeira divisão.

Para isso, vai precisar vencer o Brasil no Vermelhão da Serra e torcer para que Ypiranga e São Paulo percam. Mas, como disse o presidente Zambonatto no microfone da Planalto depois do jogo de ontem: “Vamos deixar para as crianças acreditarem em Papai Noel”.

Tem uma coisa que eu não consigo entender: Há alguns dias, o Passo Fundo anunciou a saída do seu gerente de futebol Volnei Moro. De fato eu não vi mais ele pelo clube. Porém ele estava quarta-feira em Veranópolis circulando pelo gramado, vestiário, ... E no domingo estava em Caxias circulando entre os atletas. Ora, se o cara não é mais funcionário do clube o que ele está fazendo ali? Que situação constrangedora.

A diretoria e comissão técnica do Passo Fundo é formada por pessoas de bem e educadas, que obviamente não vou expulsar o cara, mas é nítido o desconforto que causa, e vamos combinar, tá faltando semancol pro seu Moro né? Quando alguém é demitido de alguma empresa ele não vai mais no seu ex-local de trabalho, ele respeita a decisão da direção, concorde ou não, mas deixa a empresa seguir a vida e vai seguir a sua. Não é o que está acontecendo no caso Volnei Moro e Passo Fundo.

Como no futebol tudo é possível, vale a pena o torcedor ir ao Vermelhão na quarta-feira e torcer pela permanência do Passo Fundo. É muito difícil e improvável, mas estamos falando de futebol, e no futebol nada está definido até que o juiz apite o fim do jogo.

GAÚCHO

Domingo, 02/04, o Gaúcho estreia na segunda divisão. Recebe o Igrejinha na BSBios Arena. Semana passada foi apresentado o elenco para a temporada, com atletas já experientes na competição. O Gaúcho tem a base para tentar subir para o Acesso. Torcedor periquito, domingo todos na Arena!

Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”