Animal de estimação e o seu efeito psicológico

Postado por: Caroline Garcia Silva

Compartilhe

Nos dias atuais é bastante comum as pessoas buscarem um animalzinho como companhia. As crianças acabam desencadeando o desejo e uma mudança nas estruturas familiares, quando pedem um bichinho, como um amigo, onde este passa a morar na mesma casa. Neste momento desenvolve-se muitas habilidade quando passam a dividir ou compartilhar esta parceria trazendo benefícios físicos, como a diminuição do desenvolvimento de alergias, o aumento das atividades físicas, através de brincadeiras e passeios.

Um bichinho requer que seus donos, disponham de tempo, de espaço e lembrar que estão assumindo um compromisso, por talvez bastante tempo (anos), de cuidar com responsabilidade e amor.

Quando se fala de afeto, existe uma grande troca, se aprende a respeitar o outro e entender seus potenciais e limitações. A empatia e a responsabilidade é desenvolvida, pois se aprende a identificar os comportamentos, tais como o horário da comida, da necessidade do banho, de limpar o quintal, ou da hora de passear, de respeitar o ambiente externo e coletivo.

As crianças são ótimas aprendizes, sabem que se não alimentarmos os bichinhos, eles podem chorar ou até morrer, que precisam de atenção e carinho.

Ter animais em casa podem gerar sentimentos de utilidade e felicidade, evitando/prevenindo sentimentos de solidão e até depressão.

Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”