Trânsito – Distração ao volante

Compartilhe

Diversos aspectos negativos contemplam a realidade do trânsito, especialmente quando se trata de distração ao volante. Muitos condutores, visando a celeridade nas suas atividades e pretensões acabam realizando atos incompatíveis na direção veicular, entre eles, muito mais que falar ao celular, está o fato de responder às mensagens disponíveis no equipamento de comunicação, principalmente o famigerado WathsApp ou visando a manutenção da vaidade, acabam voltando seus interesses a manutenção da expressão corporal.

Nos últimos tempos alguns condutores acabam respondendo às mensagens contidas no celular quando o veículo está parado num semáforo ou, quiçá, em plena circulação nas vias públicas. Quanto ao primeiro aspecto, se observa claramente quando muitos motoristas voltam suas atenções ao aparelho celular e, como tal, desprezam a circulação viária na ocasião que o semáforo aponta o sinal verde. Destaca-se, que o condutor da retaguarda acaba tendo que acionar a buzina a fim de alertar o outro quanto à necessidade de voltar sua atenção ao sinal semafórico e, como tal, prosseguir na trajetória.

Não menos importante destacar, ainda, que tal atitude, além de ofensivas às regras de circulação veicular, implica numa desconsideração com relação aos demais usuários, revelando um efeito próprio do cotidiano humano: egoísmo. E mais, desconsideração pela própria vida, uma vez que deixar de conceder atenção à própria segurança, uma vez que está ignorando a situação que se apresenta naquele momento na via pública. Tudo em nome de transformar o veículo num verdadeiro escritório de negócios ou para traçar relações humanas.

Não bastasse isso, muitos condutores se preocupam também com a estética pessoal enquanto estão circulando com o bem móvel ou parados num semáforo. Nesta situação acabam utilizando o espelho retrovisor como sendo muito mais que um equipamento obrigatório, mas algo indispensável para o retoque de maquiagem ou arrumar o cabelo.

Ao tirar da bolsa um creme, rímel ou batom, por si só já implica em graves prejuízos ao tráfego e à segurança pessoal. Não é difícil imaginar as consequências quando a condutora realiza a parada num semáforo e, neste instante, volta seus olhos unicamente para retocar o ponto básico do rosto e cabelo, ou seja, neste caso transforma o veículo numa sala de estar ou penteadeira.       

Portanto, resta evidente que as ações humanas enquanto a bordo de um bem móvel não podem ser no sentido de propiciar distrações e, portanto, devem ser voltadas exclusivamente com atenção ao trânsito, ou seja o sistema de circulação e segurança da sociedade, sob pena de contribuir para o caos viário e propiciar perigos relativos a atos ilícitos.

Leia Também A (falta de) leitura e as redes sociais 25º Domingo do Tempo Comum. Escute o que seu coração deseja Mortes no Trânsito: De quem é a responsabilidade?