Peidei, mas não fui eu!

Postado por: Clovis Oliboni Alves

Compartilhe

A frase criada pelo cantor, compositor e escritor Lobão, faz uma crítica bem humorada à crise política em que vivemos no Brasil hoje. Tornou-se comum as pessoas denunciadas nos escândalos de corrupção (com provas contundentes), negarem na maior “cara de pau”, que não foram elas, não sabiam, que roubam, mas fazem, ou até que estão sendo vítimas de perseguição política. Parece-nos, que a prática de atribuir aos outros a culpa pelos nossos erros, é inerente ao ser humano, em especial ao brasileiro, com as devidas exceções.

A cada fase da Operação Lava a Jato, que já está em sua 39ª fase e segue em ritmo acelerado, ou de outras investigações que afloram pelos rincões do Brasil, motivadas pelo “grito de justiça”, que vem das ruas, pelo clamor público, revelam fraudes e esquemas criminosos, que eram praticados há décadas em nosso País, diga-se de passagem. O que nos indigna e impressiona, é o comportamento de alguns dos denunciados, que teimam em negar a autoria dos fatos, em uma demonstração de covardia e mau caratismo sem precedente, comportamento este, que se encaixa com perfeição a célebre frase do cantor Lobão. Alegarmos que a crise nacional é consequência das ações da Polícia Federal é a mesma coisa que culparmos a superlotação dos presídios, às ações da polícia, que estão prendendo demais... As autoridades, personalidades políticas ou empresariais, que se envolveram em ações criminosas e enriqueceram a custa do erário público, devem ser punidas e banidas da vida pública, além é claro, de ressarcirem os cofres públicos.

A indignação de Lobão, que escreve uma frase um tanto “vulgar” assim dizendo, é a mesma indignação da maioria dos brasileiros, que estão sentindo-se traídos, feitos de bobo, vítimas de um sistema pernicioso, com cheiro de carne podre. O que vimos, por exemplo, na Operação Carne Fraca, exemplifica o que estou falando: uma fraude criminosa que lesava a saúde pública, que era praticada há mais de dez anos em muitos frigoríficos, que já havia sido denunciada por várias vezes ao Ministério da Agricultura e nenhuma providência havia sido tomada ainda (conforme revelou o fiscal, que deu origem às investigações). A polícia Federal precisou entrar em cena e tornar público o fato, para que as autoridades governamentais tomassem uma atitude, e, para que os empresários criminosos fossem presos. O governo após as revelações das denúncias, correu para socorrer o mercado internacional, a economia, esquecendo-se dos consumidores brasileiros, que consumiram produtos durante muitos anos, nocivos a saúde, com efeitos imensuráveis à saúde pública.

A tolerância dos brasileiros e das autoridades chegou ao seu limite. Não podemos mais admitir este tipo de comportamento em nosso meio social, que, diga-se de passagem, possuem em sua ampla maioria, pessoas de bem, trabalhadores honestos e cumpridores da lei. O que resta a estes “traidores da Pátria”, vorazes e mesquinhos corruptos, que demonstraram um total despreparo para governar o Brasil, é assumirem seus erros e culpa, assim como estão fazendo os delatores, réus confesso. Assumam a culpa, em nome do pouco de honra e dignidade que ainda lhes reste e dos milhões de brasileiros que vivem na miséria, pela negligência do Estado e pela corrupção instaurada, ou que perderam a vida, com a esperança de ver um Brasil melhor. 

 “A dignidade pessoal e a honra, não podem ser protegidas por outros, devem ser zeladas pelo indivíduo em particular”. Mahatma Gandhi

 

 

Leia Também Investimento Externo: Não adianta querer igualar as condições de vida dos países sem igualar as medidas que levaram países desenvolvidos ao sucesso (a quinta lição) Em outubro, União transferiu R$ 873 milhões de complementação ao FUNDEB Prisão, prêmio e punição Faltam dois jogos para a Ouro