Quem é o gaúcho?

Postado por: Kelvyn Krug

Compartilhe

Gaúcho é o nome dado aos nascidos no Rio Grande do Sul, ao tipo característico da campanha, ao homem que vive no campo, na região dos pampas. Pode se dizer que sob o ponto de vista genético é resultado do caldeamento das raças: branca (europeus) negra (africanos) e vermelha (índios). Até a metade do século XIX, o termo gaúcho era usado de forma pejorativa, sendo dirigidos aos aventureiros, ladrões de gado e malfeitores que viviam nos campos.

Resultado da miscigenação entre o índio, o espanhol e o português, o gaúcho, por viver no campo cuidando do gado, adquiriu habilidades de cavaleiro, manejador do laço e da boleadeira, aspectos que perfazem a tradição gaúcha. Sem patrão e sem lei, o gaúcho foi, inicialmente, nômade. Com o passar dos tempos, a partir do estabelecimento das fazendas de gado e com a modificação da estrutura de trabalho, foram alterados os seus costumes, tanto no trajar quanto na alimentação. Mais tarde, já integrado à sociedade rural como trabalhador especializado, passou a ser o peão das estâncias.

Acompanhando a evolução inexorável, o homem sul-rio-grandense deixa de ser completamente livre, sem lei, para se tornar peão e tropeiro. Permanece, no entanto, a mesma lida com o gado, no lombo do cavalo, atividade interrompida frequentemente pelas campanhas militares e as partidas para garantir a posse do território diante dos interesses e das investidas dos espanhóis, com ou sem a participação de mestiços e índios missioneiros, liderados por caudilhos.

O gaúcho contribuiu para a defesa das fronteiras com as Regiões Platinas, participando ativamente da vida política do país. A partir disso, os reconhecimentos de sua habilidade campeira e de sua bravura na guerra fizeram com que o termo "gaúcho" perdesse a conotação pejorativa. Após a Revolução Farroupilha, o gaúcho passou a ser considerado sinônimo de homem digno, bravo, destemido e patriota.

Com o surgimento das sesmarias, latifúndios rurais, os gaudérios ou gaúchos, perderam seus espaços e tiveram que se adaptar à nova realidade. Aqueles que se adaptaram foram incorporados como peões de estâncias ou como soldados, os outros foram aos poucos desaparecendo, claro que muitos desses homens que não tiveram a condição de adaptação ao novo modelo, permaneceram à margem da lei, tentando sobreviver, tomando do gado que lhes pertencia por direito e tradição, sendo perseguidos pela polícia e pelos estancieiros.

O povo gaúcho valoriza muito sua história e costuma exaltar a coragem e a bravura de seus antepassados, expressando, por meio de suas tradições, seu apego a terra e seu amor à liberdade. Afinal: “Só sabe pra onde vai, quem respeita de onde vem”.

Leia Também As armadilhas da Reforma Trabalhista O direito de não aceitar! Identidade Prefeito Luciano, concorra a deputado federal !