É hora de refletir

Postado por: Cristian Queiroz

Compartilhe

O Gauchão terminou para o Passo Fundo da pior maneira possível. Completamente diferente de tudo aquilo que se projetou e desejou para o clube dentro desta competição. Eu fui um dos mais crentes que esse grupo de jogadores traria alegrias ao Vermelhão da Serra, mas o que aconteceu foi completamente o contrário. Agora é vida que segue, é lamber as feridas e seguir adiante.

O mundo não acabou, o clube não terminou. O Passo Fundo caiu de divisão, trágico, porém não é o fim. Quem sabe essa queda possa servir para uma reflexão, mas algo mais profunda, é preciso se pensar porque o Passo Fundo ficou cinco anos na primeira divisão e o mais longe que conseguiu chegar foi a uma disputa de quartas de final em um turno da competição. Por que o Passo Fundo nesses cinco anos nunca ficou entre os oito melhores? Por que nunca sequer brigou pelo título do interior? O que faltou? O que não deu certo? A avaliação não deve ser feita apenas do que errado em 2017 é preciso olhar para 2016, 2015, 2014...

O torcedor do Passo Fundo também precisa fazer uma reflexão. Pouco mais de 1800 pessoas irem ao Vermelhão da Serra prestigiar a estreia do time no Gauchão é muito pouco para o tamanho de Passo Fundo.  907 torcedores presentes para o importante jogo contra o São José é muito pouco! O torcedor também precisa rever seu compromisso com o clube. O Passo Fundo lançou uma campanha de sócios, ampla, com várias categorias, nesse mesmo jogo contra o São José estavam presentes 89 sócios.

A hora é de unir forças, sentarem à mesa dirigentes, ex-dirigentes, conselheiros, patrocinadores, funcionários, torcedores, entidades de classe, poder público e cada um rever o seu papel, cada um repensar no que fez, ou deixou de fazer, desde o acesso em 2012 até a queda em 2017 para que o acesso aconteça o mais rápido possível e o Passo Fundo não volta para brigar para não cair. 

GAÚCHO

Se para os lados da São Cristóvão o clima é de tristeza, no Boqueirão as coisas começaram diferentes. Ontem o Gaúcho venceu de virada o Igrejinha na BSBios Arena. Adílson repete o que fez em 2016 e é o cérebro do time, comanda a gurizada dentro de campo. Mostrou como se cobra pênalti no gol de empate. Na sequência, Ledesma, que já havia se destacado em outras edições da segunda divisão por Palmeirense e Guarani de Bagé mostrou porque veio para Passo Fundo e após uma lençol no zagueiro passou pelo goleiro e de cabeça marcou o gol da virada do periquito.

É preciso ressaltar que o Gaúcho começou a trabalhar a pouco mais de 15 dias, na partida de ontem o técnico Ricardo Attolini contava apenas com três jogadores de linha no banco de reservas e mesmo assim o time brigou e conquistou os três pontos. É só o começo, mas o Gaúcho começou muito bem!  

Leia Também Elo passado-presente-futuro Sujeito descansado Maneiras de usar o floral nesse verão 2018 O Enem para além do "tema"