Síndrome de Burnout

Postado por: Caroline Garcia Silva

Compartilhe

A Síndrome de Burnout é uma das consequências deste ritual atual: um estado de tensão emocional e estresse crônico provocado por condições de trabalho desgastantes, acúmulo de tarefas, cobranças excessivas, perfeccionismo e foco no trabalho como fonte exclusiva de prazer levam ao esgotamento físico e mental.

O esgotamento físico e emocional é manifesto através de comportamentos diferentes, como agressividade, isolamento, mudanças de humor, irritabilidade, dificuldade de concentração, falha da memória, ansiedade, tristeza, pessimismo, baixa autoestima e ausência no trabalho, e ainda relatos de sentimentos negativos, desconfiança e até paranoia. O sofrimento físico poderá vir com dores de cabeça, enxaqueca, cansaço, sudorese, palpitação, pressão alta, dores musculares, insônia, crises de asma e distúrbios gastrointestinais, respiratórios e cardiovasculares.

A síndrome é reconhecida pela Organização Mundial da Saúde e pelas leis brasileiras como doença ocupacional. É importante se perceber que algumas mudanças são necessárias como: abandone o lema “meu nome é trabalho”; faça uma avaliação sobre o custo e benefício; restabeleça conatos profissionais; tenha atenção aos sinais emitidos por seu corpo; cuide de seu estilo de vida; inclua exercícios físicos na rotina; conte com o apoio da família, dos amigos ou de uma prática espiritual. Para se tratar a síndrome é importante o acompanhamento psiquiátrico e psicológico para que haja uma melhora na vida laboral do trabalhador.

Leia Também STJ mantém decisão que afasta IR em uso de software por empresa Esperando demônios Batismo Infinitos acessórios para o Fusca