Síndrome de Burnout

Postado por: Caroline Garcia Silva

Compartilhe

A Síndrome de Burnout é uma das consequências deste ritual atual: um estado de tensão emocional e estresse crônico provocado por condições de trabalho desgastantes, acúmulo de tarefas, cobranças excessivas, perfeccionismo e foco no trabalho como fonte exclusiva de prazer levam ao esgotamento físico e mental.

O esgotamento físico e emocional é manifesto através de comportamentos diferentes, como agressividade, isolamento, mudanças de humor, irritabilidade, dificuldade de concentração, falha da memória, ansiedade, tristeza, pessimismo, baixa autoestima e ausência no trabalho, e ainda relatos de sentimentos negativos, desconfiança e até paranoia. O sofrimento físico poderá vir com dores de cabeça, enxaqueca, cansaço, sudorese, palpitação, pressão alta, dores musculares, insônia, crises de asma e distúrbios gastrointestinais, respiratórios e cardiovasculares.

A síndrome é reconhecida pela Organização Mundial da Saúde e pelas leis brasileiras como doença ocupacional. É importante se perceber que algumas mudanças são necessárias como: abandone o lema “meu nome é trabalho”; faça uma avaliação sobre o custo e benefício; restabeleça conatos profissionais; tenha atenção aos sinais emitidos por seu corpo; cuide de seu estilo de vida; inclua exercícios físicos na rotina; conte com o apoio da família, dos amigos ou de uma prática espiritual. Para se tratar a síndrome é importante o acompanhamento psiquiátrico e psicológico para que haja uma melhora na vida laboral do trabalhador.

Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”