Comunicar e esclarecer!

Postado por: Ari Antônio dos Reis

Compartilhe

Sobre a Reforma da Previdência muita coisa foi dita e escrita. O que temos certo é que os trabalhadores serão prejudicados por esta reforma e que os números apresentados pelo governo não revelam o que existe na realidade.

 São apresentadas as planilhas de custos, o volume das entradas, projeções déficits, etc. Contudo não são mencionados os mecanismos para suprir o descompromisso do governo em repor a sua parte no caixa previdenciário e nem os mecanismos para cobrar das empresa devedoras. As redes sociais têm feito esta denúncia com certa insistência.  As duas iniciativas, acima citadas, seriam suficientes para repor o propalado déficit. Onerar apenas o trabalhador não é uma solução justa para resolver o problema. Os trabalhadores não teriam culpa no déficit apregoado, até porque o cidadão paga seu carnê enquanto autônomo ou tem a sua parcela previdenciária descontada do salário mensal na condição de empregado.

Outro fato percebido neste processo consiste na dificuldade do governo em dialogar com a população. A maioria dos brasileiros serão atingidos pela reforma providenciaria, caso ela se efetive. A população tem o direito de participar de um debate aberto, transparente e franco sobre o tema, pois não interessa aos trabalhadores um sistema previdenciário falido.  O debate permitirá esclarecer a origem do déficit, mas também possíveis caminhos de solução, que não se reduzem aos encaminhamentos propostos ao Congresso Nacional.

 A falta de interesse do executivo em abrir canais de diálogo com a população é preocupante. Tratar um tema desta envergadura apenas com os deputados e senadores, parece temerário por diferentes motivos.   

Temas importantes para uma nação merecem outras formas de encaminhamento, especialmente aqueles que envolvem as garantias de uma vida justa para os brasileiros.  

Leia Também Demitido por vender vacina da gripe A Como saber se estou correndo rápido? Acordo prevê ações de sustentabilidade na administração pública Ernestina – sempre foi Dona Ernestina