Dia Mundial da Saúde: vamos refletir sobre a depressão?

Postado por: Jéssica Limberger

Compartilhe

No Dia Mundial da Saúde, 7 de abril, a OMS - Organização Mundial da Saúde nos convida a pensar sobre a depressão. No mundo, a depressão é crescente e o Brasil é o país com maior prevalência de depressão na América Latina, de acordo com a OMS. Esses dados reforçam a importância de estarmos cada vez mais informados e atentos sobre esse transtorno, que impacta negativamente na vida de tantas pessoas.

Por muito tempo, a depressão não teve a atenção necessária, e a falta de informação gerou preconceito e ideias equivocadas acerca das pessoas deprimidas, como se fosse uma “frescura”, “coisa de quem não tinha o que fazer”. Acontece que a depressão não é frescura, mas sim um transtorno que necessita de tratamento adequado. Infelizmente, ainda seguem muitas ideias erradas sobre a depressão, o que acaba dificultando que as pessoas busquem o tratamento, pois podem estar sentindo vergonha ou culpa por estarem deprimidas.

Além da informação, é muito importante que a sociedade possa se conscientizar sobre esse transtorno. Talvez algumas pessoas só compreendam o tamanho do sofrimento envolvido na depressão quando a própria pessoa ou alguém próximo passe por isso. Em vez de julgar a situação pela qual a pessoa está passando, colocar-se no lugar dela e apoiá-la pode fazer muita diferença.

É importante lembrar que depressão é diferente de tristeza. A tristeza faz parte da nossa vida, pois é um sentimento que acompanha perdas, decepções e frustrações. Sentirmos tristeza diante de algo, chorarmos e ficarmos tristes demonstram o quanto aquela situação teve um impacto em nossas vidas. A tristeza também pode nos auxiliar na mudança de comportamentos, quando percebemos que as coisas não estão indo bem e desejamos tomar novas atitudes.

Com os momentos tristes, seguimos nossas vidas, trabalhando, estudando e tendo nossas relações sociais. Já na depressão, a intensidade da tristeza é bem maior e faz com que tenhamos dificuldade em seguir com nossas atividades, prejudicando diferentes áreas, como família, trabalho, estudos, entre outros. Na maior parte do dia e em quase todos os dias, a pessoa deprimida se sente “vazia”, triste e sem esperanças. Assim, há uma grande diminuição de muitas das atividades em que anteriormente lhe causavam prazer.

Talvez a pessoa deprimida se encontre em um estado de tamanha dificuldade, que não veja possibilidades de mudança e não imagine que possa viver de maneira diferente. É como se a pessoa estivesse usando óculos escuros que faz com que ela veja só o que há de negativo em si mesma e ao seu redor, sem esperanças quanto ao futuro.

Infelizmente, muitas pessoas acabam não buscando um tratamento adequado, o que contribui para que o sofrimento se torne cada vez mais intenso. Com isso, sentimentos de desesperança, desespero e desamparo acabam se associando com o suicídio. Nesses casos, é importante lembrar que a pessoa não quer necessariamente colocar fim à própria vida, mas sim que ela não consegue ver outra possibilidade de lidar com o seu sofrimento. Dessa forma, as pessoas próximas, como familiares e amigos, possuem muita importância no auxílio a esta pessoa na procura por tratamento.

É importante lembrar que os sintomas que compõe a depressão devem ser avaliados por um profissional da saúde. As buscas por profissionais como psicólogos e psiquiatras são importantes, a fim de que um diagnóstico preciso seja elaborado e que os tratamentos mais efetivos sejam realizados. Se cada vez mais pessoas compreenderem que a depressão não é uma frescura e sim um transtorno que requer tratamento, mais pessoas poderão buscar auxílio, havendo mudanças positivas em suas vidas. Que nesse Dia Mundial da Saúde tenhamos mais informações e reflexões sobre a depressão, auxiliando a nós mesmos e aos demais. 

Leia Também STJ julga inclusão do crédito presumido de IPI no IRPJ Psicologia Educacional Investimento Externo: Não adianta querer igualar as condições de vida dos países sem igualar as medidas que levaram países desenvolvidos ao sucesso (a quinta lição) Em outubro, União transferiu R$ 873 milhões de complementação ao FUNDEB