Trânsito – Princípios de direção defensiva II

Compartilhe

 No contexto de direção defensiva é imprescindível que, a partir do pensar humano, possamos adotar procedimentos que venham preservar a nossa essência: vida.

Para tanto, no trânsito é importante antecipar nossas ações humanas, ou seja precisamos planejar nossas manobras veiculares. Assim, qualquer movimento necessário com o veículo, muito além de atender aos parâmetros de acionar o pisca-pisca (art. 35, do CTB), surge a necessidade de realizar um movimento de forma eficaz e, portanto, sem prejuízos ao tráfego.

Literalmente, dentro desta visão ampla e usando da empatia, devemos nos posicionar mentalmente como se fora o outro condutor e, com isso, trazer na imaginação o que ele faria ou pretenderia adotar de procedimento quando do nosso agir. Devemos fugir dos labirintos desastrosos do egoísmo humano

Destaca-se, ainda, que muitos motoristas costumam agir por instinto, isto é, se deslocam na via pública de forma natural, sem a necessária reflexão acerca de sua conduta a cada instante e, por isso, não observam a sinalização viária ou deixam de ficar atentos aos demais usuários que trafegam no local. A exemplo desta realidade, está a infeliz e desacertada conduta de alguns motoristas não observar a mudança de fluxo viário ou sinalização e, por óbvio, ingressam na contramão de direção ou na preferencial.

São atos reflexos sem o necessário nível de consciência.

Com isso, torna-se relevante educar a mente para ações defensivas. 

Leia Também A (falta de) leitura e as redes sociais 25º Domingo do Tempo Comum. Escute o que seu coração deseja Mortes no Trânsito: De quem é a responsabilidade?