A Pascoa é uma caminhada de fé!

Postado por: Ari Antônio dos Reis

Compartilhe

Estamos na Oitava Pascal. É um tempo litúrgico que memoriza o Domingo da Pascoa do Senhor celebrado como um só dia. Duas imagens bíblicas chamam atenção. A primeira é a de Maria Madalena chorando próximo ao túmulo, porque Jesus não estava mais lá. Ela pensava que alguém havia roubado o corpo (Jo 20, 11-18).  A outra situação diz respeito aos discípulos que fugiam de Jerusalém para a cidade de Emaus (Lc 24, 13-35). O choro de Maria Madalena e fuga dos dois discípulos revelam o sentimento da perda de Jesus e o fim de um projeto no qual acreditaram e imaginavam derrotado pela crucificação. Os evangelistas João e Lucas, apresentam esta cena para mostrar a dificuldade do grupo dos discípulos em crer na ressurreição e como Jesus Cristo vai ajudando a superar esta barreira.

Nas duas situações Jesus Cristo vai estabelecendo um processo de diálogo para convencer seus ouvintes de que a realidade última da sua vida não era a morte na cruz, mas a ressurreição.  No caso de Maria Madalena a conversa foi breve. De uma situação de dor, motivadora do choro, passa a uma situação de alegria e de anuncio da ressurreição para a comunidade dos discípulos.  

No caso dos discípulos de Emaus a conversa foi mais longa e se desenvolveu no caminho. Jesus ressuscitado entra no caminho da fuga dos discípulos, primeiramente mostrando interesse pelo assunto tratado, a sua morte. Em seguida os situa na história, fato que a dor e a aparente derrota não os deixava fazer. Usa a Palavra para reaquecer aqueles corações entorpecidos pela dor. Finalmente completa a catequese da ressurreição partilhando o Pão. Ao mesmo tempo em que “os olhos dos discípulos se abrem” Jesus desaparece pois havia cumprido com a missão. A partir do encontro com o Jesus Cristo os discípulos revertem o processo de fuga e assumem a atitude corajosa de anúncio no ressuscitado na cidade que havia assistido a sua morte.

Estamos vivendo este tempo de Graça, a Páscoa o Senhor. Jesus enfrentou a cruz pela salvação da humanidade. Aqueles que o condenaram a morte imaginavam encerrar o seu projeto pela crucificação. Num primeiro momento amedrontaram seus seguidores. A ressurreição foi o extraordinário na caminhada de Jesus que permitiu derrotar estes podres de morte. Ele provou ser mais forte que a morte. A última palavra sobre a sua missão era a vida eterna. Para Ele e seus seguidores (Fil 2,9). Neste tempo Pascal estamos refletindo e rezando esta nova realidade a qual os seus seguidores foram motivados a compreender

Cristo ressuscitou e nossa fé se estrutura no ressuscitado e os compromissos que dela demandam, especialmente o enfretamento de tantas situações de morte e banalização da vida que estão presentes em nossa sociedade.


Leia Também Preciosa vantagem nas semifinais da Série Prata Ah, se eu tivesse tido oportunidade 29º Domingo do Tempo Comum. Rodízio de Trabalhadores