Toson se posiciona perante a revogação do Estatuto do Desarmamento

Compartilhe
Foto: Comunicação/ Câmara de Vereadores   Foto: Comunicação/ Câmara de Vereadores 
O vereador Roberto Gabriel Toson (PSD) realizou nesta quarta-feira (19), seu primeiro Grande Expediente na Sessão Plenária Ordinária da Casa Legislativa de Passo Fundo. Em sua manifestação parlamentar, relembrou sua trajetória, explicando que nunca foi seu desejo ser um político, apesar de já acompanhar desde pequeno os trabalhos dos vereadores que o precederam, e que o caminho da vida política aconteceu de forma natural.

Primeiro, veio o convite do deputado Danrlei, que é seu amigo pessoal, e depois a vontade natural após um período como coordenador de campanha e assessor do deputado. “Eu percebi que muitos falam da má política, que é minoria, e que se não déssemos a nossa contribuição, a nossa dedicação, nada seria mudado. Ficar em casa reclamando e falando mal não adiantaria nada, era preciso trabalhar, e foi aí que aceitei a proposta do deputado e concorri. Fui feliz em ser eleito já nesta primeira campanha”, destacou. Ele lembrou novamente sobre sua visão em defender suas ideologias porque segundo ele, um dos grandes problemas do cenário político é o medo em se posicionar, o que não acontecerá em seu mandato. “Durante a campanha busquei mostrar qual era meu posicionamento e defender a minha bandeira. Continuarei fazendo isso aqui”, disse.

Toson ainda falou da grande demanda de Indicações e Pedidos de Providência e da importância da participação da comunidade no legislativo. Assim, ao citar seus principais projetos, lembrou da Indicação protocolada recentemente, que foi proposta a partir da sugestão de um cidadão, que sugere a adoção de um método de controle do tempo de espera nos serviços de atendimento público, a fim de subsidiar estudo do tempo médio de espera em filas. Ele ainda mencionou a importância de seu Projeto de Resolução que sugere a criação da Comissão Especial Mista para a elaboração e discussão do Plano Municipal de Fomento ao Esporte de Passo Fundo, para que a comunidade possa participar mais e ter o incentivo à prática regular de todas as modalidades de esporte.

Já no fim de sua fala, o vereador destacou a Moção que apoia a Revogação do Estatuto do Desarmamento, defendendo que o direito a defesa foi vedado aos cidadãos desde a aprovação do Estatuto e que a taxa de homicídios por arma de fogo se elevou desde então. “Segundo dados da própria ONU, o Brasil possui hoje oito armas registradas para cada cem habitantes e os Estados Unidos possui oitenta e nove armas para cada cem habitantes. Nós temos sete vezes mais homicídios por arma de fogo. O Brasil já é oficialmente o país que mais mata no mundo há quatro anos, mas ninguém tem arma. É a certeza da impunidade”, argumenta o vereador.

Ele também foi acompanhado em plenário por diversos amigos e familiares que receberam um agradecimento especial do vereador.

Leia Também Vereador quer proibir venda de alimentos nas escolas Famílias retiradas de ocupação em área da Codepas Indígenas ocupam sede da Funai em Passo Fundo Táxis: Patric sugere tarifa única do Gran Pallazo ao Centro