Efeito psicológico do desemprego

Postado por: Caroline Garcia Silva

Compartilhe

Após comemorarmos o Dia do Trabalho, nos deparamos com uma realidade bastante difícil, a falta de emprego.

O trabalho tem um significado que vai além de ser um apoio financeiro ou salarial, ele é considerado como fonte de bem-estar e equilíbrio psicológico.

Quando se está em busca de um emprego e se vendo em situação de desemprego, o indivíduo vivencia uma série de transformações emocionais, psicológicas e sociais.

A pessoa quando perde o emprego, passa por uma série de fases:

- Perplexidade com uma mescla de ceticismo e medo;

- Segue-se uma fase de recuperação, caracterizada por um otimismo irreal, tendo a impressão de “estar de férias”;

- Mais tarde o indivíduo se sente pessimista e pode apresentar sintomas de ansiedade, com períodos de melancolia e irritabilidade;

- O indivíduo vê o desemprego como um fracasso pessoal em vez de social, o que o conduz ao isolamento;

- A experiência social é empobrecida devido à alteração da estrutura da vida cotidiana e pela tendência de se afastar da vida social, ao se sentirem envergonhados e inseguros;

O impacto do desemprego acaba fazendo com que a pessoa sofra, a síndrome da invisibilidade, ou seja, sente que “não a veem”, se considerando totalmente fora do sistema econômico-social. Esta mudança na estrutura social, na qual a pessoa está acostumada, acaba fazendo com que se tenha um sentimento de ter perdido sua identidade profissional. A pessoa vai se isolando dos outros, culminando em uma deterioração das relações familiares e sociais.

O apoio neste momento é essencial, pois poderá ser a oportunidade de se desenvolver novas habilidades e atitudes positivas em direção a novos hábitos de vida e de trabalho.

 

Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”