A maldita reação!

Postado por: Ronaldo Rosa

Compartilhe

Lamentavelmente mais um inocente é vítima da bandidagem, drogada, de Passo Fundo. Primeiro que a insegurança está em todos os cantos, o trabalho da polícia é deficitário, falta gente e estrutura para um policiamento preventivo decente. Entretanto, neste caso do jovem morto com um tiro, na tentativa de roubo de uma camioneta na Petrópolis, tem um ingrediente decisivo para o desfecho fatal, que foi a reação de uma das vítimas. Há muito temos sido orientados por especialistas em segurança que não devemos reagir afinal bens materiais podem ser recuperados, mas a vida é uma só. Porém nesta hora ninguém sabe o que pode acontecer às vezes a gente pensa que não vai reagir, mas quando se depara com uma situação dessas, por instinto acaba reagindo e, em fração de segundos, uma desgraça está feita.

 

Discordo da visão da polícia sobre a segurança em Passo Fundo

Acompanhei na Câmara, uma audiência pública sobre segurança e me desculpem os amigos representantes da Polícia Civil e Brigada Militar que disseram que em Passo Fundo as coisas vão bem, que os índices têm diminuído e que a criminalidade está controlada. Sinceramente, quando ouvi estas opiniões pensei comigo, “não moramos na mesma cidade”. Passo Fundo tem sérios problemas e só vamos resolvê-los quando aceitarmos a realidade é crime toda hora, a bandidagem está deitando e rolando. Claro que a polícia tem realizado operações, que merecem os parabéns, mas não é suficiente, qualquer um sabe disso. Se bem que essas audiências públicas, como disse muito bem o representante do Consepro, Carlos Giugno, não servem para quase nada, a não meia dúzia se aparecer. Fazem anotações, dizem que vão ver, mas resultados práticos, muito pouco, porém entendo que precisam ser feita, melhor que não fazerem nada.

 

Truculência prejudica o sentido da Greve geral

Pela opinião dos ouvintes da Rádio Planalto, a Greve Geral da semana passada foi importante para chamar a atenção dos nossos representantes sobre a situação crítica que o povo está com perdas de direitos constantes. A manifestação das ruas foi tão importante que a Reforma da Previdência corre sérios riscos de ser barrada no Congresso. A contrariedade quando a Greve Geral ficou por conta da intransigência e truculência de algumas lideranças sindicais e partidárias que quiseram obrigar as pessoas a parar e as lojas a fechar na marra. Vivemos num país democrático e este tipo de comportamento prejudica o que poderia ser uma boa iniciativa. Quem não quer participar das manifestações tem tanto direito, assim como quem quer e isso deve ser respeitado. Outro fator negativo, desta manifestação foi o dia escolhido, parece que foi a dedo para curtir um feriadão.

 

Dizem por aí... Que na próxima Greve Geral os sindicatos e partidos irão escolher para fazer num domingo, assim ninguém “mata” o trabalho. Será verdade?

Leia Também Linda ou ridícula? Muito obrigado Dom Urbano! O respeito à propriedade alheia CNBB: qual a nossa missão?