Eu acredito no Brasil

Postado por: Dilerman Zanchet

Compartilhe

Refletindo durante a semana, principalmente após os atos literalmente democráticos que assolaram o país desde a última sexta-feira, quando uma turba de sindicalistas, pagos com o dinheiro do trabalhador, que contribui obrigatoriamente com o imposto sindical, além de um bando de arruaceiros do MST e outros “Ms”, além de professores aposentados e alguns ativos que não são chegados à uma sala de aula;

Além de alguns ministros do STF que ganham polpudos salários (acima de R$ 35 mil, carro, motorista, segurança, moradia e outras vantagens), livrarem a cara de corruptos da marca maior;

 Além de mais uma delação em que o delator coloca mais uma vez o “santinho do Brasil” no palco da mais podre corrupção que o país já viu;

Além de uma tortura psicológica para que o país entenda que na verdade a Lava Jato é só uma operação onde os jovens do MPF e o Juiz Sérgio Moro querem mostrar serviço, já que não têm nada para fazer;

Além de ter que engolir vagabundos assessores de falcatruas pedir a minha cabeça insistentemente;

Me dei conta de que o Brasil é o único país do mundo que foi:

a) Governado por um alcoólatra que instituiu uma lei seca;

b) Um semianalfabeto que assinou uma reforma ortográfica;

c) Um semianalfabeto que tem um filho formado em coisa nenhuma, mas que é o gênio das finanças;

d) Um semianalfabeto que recebeu o título de "doutor honoris causa" de cinco universidades brasileiras (coincidência ou não, todas federais ou que vivem de polpudas verbas do MEC);

e) Um semianalfabeto que cobrava US$ 200 mil por palestra (sobre qualquer assunto, a escolher) no exterior;

f) Que teve a cara de pau de pedir a Deus para dar INTELIGÊNCIA a Barack Obama, que é formado em Harvard;

g) O homem “mais honesto que Jesus Cristo”.

Assim, me resta pouca coisa em que acreditar.

Mas, apesar de tudo, eu insisto. Acredito que teremos um país, em alguns anos, que vai rir disso tudo.

E que os professores de história vão contar o que realmente aconteceu, não o “seu lado” de ver a história;

Que os partidos de todas as correntes ideológicas, através da grande maioria dos seus filiados eleitos, corromperam até a alma da nação.

E que, através de um grupo de jovens procuradores e promotores públicos federais, conseguiram mobilizar o povo para que expurgasse de vez este modelo político.

E ainda acredito que veremos, dentre todas as mudanças que deverão acontecer, prefeitos menos enganadores, deputados que realmente trabalham para o povo, governadores que oferecerão aos estados o que rege a Constituição, e deputados e senadores sérios, imbuídos em apenas legislar para o bem comum.

E que os ministros do STF e afins, arautos da Justiça, assim como nas tribunas de menor instância, rezem pela Lei, pelo Direito, pela Justiça e não para seus amos.

Eu acredito no Brasil.

 

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito