Projeto Charão é finalista de Prêmio Nacional da Biodiversidade

Postado por: Manoela Cielo

Compartilhe

O Ministério do Meio Ambiente - MMA instituiu pela portaria nº188, de 22 de maio de 2014, o Prêmio Nacional da Biodiversidade o qual tem como objetivo reconhecer o mérito de iniciativas envolvendo projetos e atividades que priorizam a melhoria do estado de conservação das espécies da biodiversidade brasileira e com isso contribuindo para o alcance de metas nacionais sobre o tema.

O Projeto Charão é um dos finalistas do prêmio, trabalho intitulado como “Dois papagaios ameaçados da floresta com araucárias, um esforço de conservação comum”. Os responsáveis pela iniciativa são a Associação dos Amigos do Meio Ambiente (AMA) e a Universidade de Passo Fundo, trabalho coordenado pelos professores Jaime Martinez e Nêmora Prestes, realizado com o comprometimento de alunos de pesquisa e extensão da UPF.

O Projeto Papagaio Charão e Papagaio de Peito Roxo não só promove a conservação dessas espécies ameaçadas de extinção como difunde dentro e fora da academia, à educação ambiental, conhecimento da biologia e distribuição das espécies, dando incentivo a criação de áreas protegidas.

Sem dúvida é um projeto que deu e está dando certo, o qual foi além da geração de publicações cientificas, pois aproximou o meio acadêmico da população, projeto que nasceu em 1991 e agora pode ser reconhecido recebendo o Prêmio Nacional da Biodiversidade.

“Dois papagaios ameaçados da floresta com araucárias um esforço de conservação comum”. Valorize esse trabalho de pesquisa dos professores, alunos e comunidade envolvida acessando o link e votando: http://bit.ly/2pvGvRu.

No Dia Internacional da Biodiversidade (22 de maio) ocorrerá à entrega do prêmio para vencedores das seguintes categorias: sociedade civil, empresas, academia, órgãos públicos, imprensa e Ministério do Meio Ambiente.

 

Leia Também Crescimento, emprego e custos de vida: o governo não entregou o que prometeu Derrota e ensinamentos na Série Prata Alimentos que tiram a fome despesas de capatazia não entram no cálculo de Imposto de Importação