Rio Passo Fundo: expedição percorre nascentes e barragem

Compartilhe
Em busca de vestígios ambientais e históricos, o Projeto Rio Passo  Fundo, que vem sendo desenvolvido pelo Museu de Artes Visuais Ruth  Schneider (MAVRS), apoiado pelo Museu Histórico Regional (MHR) e pelo  Museu Zoobotânico Augusto Ruschi (Muzar), com a presença de diferentes  entidades, realizou, no último sábado, 6, uma expedição piloto pelas  nascentes e barragem do Rio Passo Fundo. Com o acompanhamento da  Companhia Ambiental e Comitê Rio Passo Fundo, a atividade foi guiada  pelo Grupo Ecológico Sentinela dos Pampas (GESP), que, além de  percorrer trilhas pela mata que acompanha a extensão do Rio Passo Fundo proporcionou, também, que o grupo pudesse realizar a expedição  dentro da barragem de captação de água, através do barco do Projeto  Navegar.
Patrimônio ambiental e histórico
Divididos em quatro grupos, os participantes percorreram, por terra, o  espaço conhecido como Povinho Velho, as nascentes do Rio Passo Fundo,  o território da Barragem da Fazenda da Brigada e do Parque Wolmar  Salton e a sede da Fazenda da Brigada. Apesar dos grupos  distintos, o objetivo foi um só: observar a mata, o rio e o ambiente  para coletar o máximo de informações históricas e ambientais sobre o  espaço e sobre o rio. A atividade foi um experimento para o Projeto  
Rio Passo Fundo que terá início ainda neste mês de maio e irá  realizar, em toda a extensão da Bacia Hidrográfica do Rio Passo Fundo,  cinco expedições que percorrerão partes representativas do Rio em  busca de dados ? sejam relacionados à água, à flora e à fauna, como,  também, relacionados à sociedade, coletados de forma vivencial,  teórica ou oral.
Ainda que de forma experimental, a atividade proporcionou aos  participantes um encontro intenso com a história do Rio que, antes  mesmo da cidade se instalar, foi abrigo de índios, levou tropeiros por  caminhos recém abertos, serviu de alimento, abrigo e passagem para  aqueles que viram no Planalto um caminho fácil para as feiras de  Sorocaba e Minas Gerais: por aqui passavam o gado, o couro, o sebo e  parte da gente que desbravava o país no início do século XIX. Antes de  
Passo Fundo nascer, o Rio, que dá nome ao município, já aguardava a  chegada da cidade e presenciava, de perto, a região ser uma importante  ligação do estado com o centro do Brasil. O Rio Passo Fundo  testemunhou a história: viu chegar os índios Caigangues e  Tupi-Guaranis, passar o tropeiro paulista, o imigrante, o comércio e a  indústria. O projeto busca, agora, resgatar essas origens e  reapresentar o Rio à população.
Projeto Rio Passo Fundo
Com o objetivo de reconhecer a importância do Rio Passo Fundo como  patrimônio paisagístico, natural, histórico, político e econômico, o  Museu de Artes Visuais Ruth Schneider (MAVRS) promove, com o apoio do  Museu Histórico Regional (MHR) e do Museu Zoobotânico Augusto Ruschi  (Muzar), ligados à Universidade de Passo Fundo, o projeto "Rio Passo  Fundo: patrimônio paisagístico, natural, ambiental,  histórico-cultural, econômico e político",  que consiste em exposições, coleta de dados, expedições e criação de um banco de dados  que abrangerá diferentes aspectos relacionados ao Rio Passo Fundo e  contemplará não apenas a cidade que leva o nome do Rio, mas, também,  toda a sua bacia hidrográfica. A viabilização do projeto? que  acontecerá nos anos de 2017 e 2018 - se desenvolverá através do apoio  de diferentes entidades e pelo patrocínio do programa da Caixa  Econômica Federal de Apoio ao Patrimônio Cultural Brasileiro 2017/2018  que disponibilizou um recurso de R$ 300 mil para o desenvolvimento das  ações.
-- 
Créditos: Sammara Garbelotto - Assessoria de Imprensa

Leia Também Projeto Charão inaugura a RPPN Papagaios-de-Altitude Empresa privada deve recolher resíduos de restaurantes em Passo Fundo Danos ambientais da Barragem do Capingui são discutidos no Parlamento Mais de uma tonelada de resíduos retirados do rio Passo Fundo